Perséfone: história e curiosidades da rainha do submundo


Perséfone é filha de Deméter, a deusa da colheita e da prosperidade, e de Zeus, o rei dos deuses.

Segundo a mitologia grega, ela é a deusa da primavera, das flores e dos frutos, assim como a rainha do submundo. 

Perséfone e Cora: os dois nomes da deusa

Antes de casar-se com Hades, Perséfone era também chamada de Cora ou Kore, que significa "moça", "donzela" ou “moça virgem”. Já o nome Perséfone significa “a que destrói a luz”. Outro nome comum de ser encontrado em referência à deusa é Persefoneia, uma variação do nome Perséfone. 

Na mitologia romana, a deusa equivalente chama-se Proserpina. 

As representações de Perséfone e os seus símbolos

Perséfone, quando representada como deusa da primavera, tem várias flores ou ramos de trigo como símbolos. 

Quando ela é retratada como deusa do submundo, o símbolo dela é a romã, que é uma fruta que simboliza, por meio de suas sementes, a vida e a morte. 

Perséfone com a romã na mão
Perséfone com a romã na mão - pintado por Dante Gabriel Rossetti em 1874

Por vezes, ela está representada com a sua mãe. Deméter carrega o cetro e o feixe, enquanto Perséfone uma tocha de quatro pontas. Em outras representações, a deusa também é vista ao lado de Hades, seu esposo.

O Mito sobre o rapto de Perséfone que gerou as estações do ano

Como conta a mitologia, Hades, o deus do submundo, resolveu subir do submundo para ver como estava a erupção de um vulcão. Ele temia que o vulcão rompesse as terras submundo e levasse luminosidade para a escuridão. 

Quando Hades chegou na superfície da Terra, Eros e Afrodite resolveram aproximá-lo de Perséfone, a deusa virgem, protegida por sua mãe, Deméter. Inclusive, para evitar que ela se relacionasse com alguns dos deuses, a mãe havia afastado sua filha do Olimpo. 

Eros, o cupido dos deuses, decidiu acertar flechas em Hades, fazendo-o se apaixonar por Perséfone. O deus do submundo, sem perceber o ocorrido, logo se apaixonou pela deusa. Então, ele fez a Terra abrir-se, de modo a dar passagem para o submundo, e levou Perséfone com ele.

Como contam outras versões do mito, Hades teria se apaixonado por Perséfone quando a viu, sem ter recebido qualquer flecha ou intervenção de Eros e Afrodite. De qualquer forma, as diferentes versões do mito concordam ao afirmar que ele raptou a deusa, levando-a para o submundo rapidamente.   

Pintura contando rapto de Perséfone. Ela é levada do jardim por um cavalo e Hades
O destino de Perséfone - pintado por Walter Crane em 1877

Deméter, sem saber onde sua filha estava, começou a buscá-la pelo mundo inteiro. Quem ajudou Deméter foi Hélio, que contou ter visto o rapto de Perséfone. Segundo o deus solar, ele viu a filha da deusa ser levada para o submundo por Hades. Em outra versão do mito, teria sido Hécate que contou à Deméter onde estava Perséfone. 

Esta notícia entristeceu muito Deméter, pois não sabia como recuperar a filha. Ela passou a descuidar de suas funções de manter a terra fértil para as colheitas. Conforme a mitologia grega, a tristeza da deusa gerou uma época de secas no mundo, sem haver colheitas.

Deméter decidiu recorrer a Zeus para ter sua filha de volta. Inicialmente, ele negou ajuda, em razão de Hades ser o deus que comanda o submundo. Entretanto, Deméter ameaçou deixar a Terra infértil para sempre, o que fez Zeus auxiliá-la.

Hermes então conduziu Deméter até o submundo, com a promessa de que ela poderia levar Perséfone embora, caso a filha não tivesse comido nada oferecido por Hades.

Estátua da deusa Deméter, mãe de Perséfone
Estátua de Deméter, mãe de Perséfone, no Museo Nazionale Romano Di Palazzo Altemps (©Marie-Lan Nguyen /Wikimedia Commons)

Entretanto, quando Deméter chegou no submundo, descobriu que Perséfone já havia comido uma romã oferecida por Hades. Além disso, a deusa parecia estar encantada com o seu esposo e feliz por ser a nova rainha do submundo. 

Deméter e Hades resolveram entrar num acordo sobre Perséfone: metade do ano a deusa passaria no submundo (em algumas versões, apenas um terço do ano com Hades) e na outra metade na Terra, ao lado de sua mãe, Deméter. E assim passou a acontecer.

Segundo a mitologia grega, esse acordo gerou as estações do ano: durante os meses que Perséfone fica com a mãe, há flores e colheitas maravilhosas. É primavera e verão. E nos tempos em que Perséfone passa no submundo, Deméter fica em depressão e é tempo de poucas colheitas. É outono e inverno. 

Perséfone e Hades: a rainha e o rei do submundo 

Vaso de Perséfone e Hades
Vaso de Perséfone e Hades - autor desconhecido, cerca de 440-430 a.C.

Casada com Hades, Perséfone passou a exercer as suas funções no submundo, passando a ocupar o trono ao lado de seu esposo. 

Por ser a rainha do submundo, também chamada de rainha do mundo infernal, Perséfone é, na mitologia grega, a deusa que tem o poder de dar ou tirar a vida de alguém. 

A deusa é definida como uma representação da dualidade entre vida e a morte. No mesmo sentido, a noção de que há sempre, depois de um verão, o inverno, e depois de um inverno, o verão, como acontece quando ela passa metade do ano no submundo e metade na Terra.

Perséfone e Afrodite: duas deusas apaixonadas por Adônis 

As deusas da mitologia apaixonaram-se pelo belo e jovem mortal Adônis. Primeiro Afrodite apaixonou-se por ele e depois a deusa Perséfone também se encantou. Mas Adônis preferia a deusa Afrodite. 

Ares, o amante de Afrodite, não gostou nada da situação e resolveu matar Adônis. Assim, enviou um javali para acabar com a vida do jovem mortal. Adônis morreu nos braços de Afrodite e foi transformado na flor anêmona.

Se gosta de mitologia grega, você pode se interessar também por: