Porque os gatos ronronam e como esse barulho pode afetar os humanos


Ninguém sabe ao certo por que os gatos ronronam, apesar da maioria das pessoas pensar que eles o fazem quando estão satisfeitos e se sentindo bem. Mas nem sempre é o caso: alguns gatos também ronronam quando estão com fome, feridos ou com medo.

E o mais surpreendente é que as frequências desse barulho podem afetar fisicamente tanto os gatos como os próprios humanos.

Mas para que serve o ronrono?

Gatos

Mas para que exatamente serve esse barulho? Se fosse apenas uma forma de comunicação, serviria apenas para aqueles bem próximos, já que os gatos ronronam numa frequência e volume muito baixos.

O ronronar, assim como muitas outras vocalizações de baixa frequência em mamíferos, frequentemente estão associados a situações sociais positivas, como a amamentação e relaxamento.

Mas os gatos parecem ronronar por uma série de outras razões também. Eles ronronam quando estão com dor ou em trabalho de parto, quando estão feridos ou doentes, ou mesmo quando estão perto da morte.

Nesse caso, para os gatos, ronronar seria semelhante a como os humanos se acalmam, seja chorando, rindo ou se distraindo.

Os poderes de cura do ronronar

Cura do ronrono

Pesquisas recentes mostraram que os sons emitidos pelos gatos podem ajudar seu corpo de várias maneiras. Os gatos são capazes de curar porque seu ronronar oscila entre 22 e 30 Hz, uma faixa de frequência que se provou ser medicamente terapêutica.

Além de atuar como um calmante para o gato, diminuindo o estresse e a pressão sanguínea, essa "terapia do ronronar" pode ter propriedades de cura óssea, estimulando a regeneração dos tecidos. E isso não é tão louco quanto parece: o exercício de alto impacto promove a saúde dos ossos pelo mesmo motivo, porque os ossos respondem à pressão tornando-se mais fortes.

Em seu ambiente natural, os gatos passam muito tempo parados esperando para caçar, por isso o ronronar pode estimular seus ossos para que não fiquem frágeis.

Dispositivos de vibração semelhantes ao ronrono foram patenteados para uso em terapias, e alguns pesquisadores propuseram amarrar placas vibratórias aos pés dos astronautas durante longos voos espaciais para manter sua densidade óssea.

E os benefícios não são só para os bichanos

Humanos e gatos

Os benefícios não se aplicam apenas ao animal que emite as vibrações - os seres humanos que estão ao seu redor também podem se aproveitar.

Estudos mostram que os donos de gatos têm cerca de 40% menos chances de ter um ataque cardíaco do que aqueles que não têm felinos. Além disso, o ronronar reduz os efeitos da dispneia, que é a dificuldade de respirar, tanto em humanos quanto em gatos.

Isso ocorre porque o ronronar tranquilo dos gatos imita a respiração para dentro e para fora, dando-lhe um exemplo verbal de como respirar e permanecer calmo.

E os grandes felinos também ronronam?

O ronronar não é uma característica única dos gatos domésticos. Alguns gatos selvagens e seus parentes próximos, como linces, jaguatiricas e pumas também ronronam. Até mesmo hienas e guaxinins podem ronronar.

Ao descobrir que os gatos poderiam ronronar ou rugir, os taxonomistas do início do século XIX dividiam os felinos em duas famílias: Os gatos que ronronam, conhecida como Familia Felinae, e os que rugem, os Pantherinae.

Os gatos que ronronam, como os linces, não podem rugir. Já os gatos que rugem, como leões e tigres, não podem ronronar. Isso porque as estruturas que cercam sua laringe não são rígidas o suficiente para produzir esse barulho.

Mas parece que esses gatos gigantes desenvolveram o rugido por uma boa razão: como forma de se impor. Se você é um gato grande e tem que percorrer grandes distâncias para caçar, o barulho alto desempenha um papel importante na manutenção do seu território. Já os gatos pequenos costumam ser solitários e não competem uns com os outros pelas refeições.

Então, sua comunicação não precisa ser de longo alcance. Para eles, a marcação pelo cheiro já é suficiente para esses gatos manterem seu território.