Ocitocina: conheça os efeitos do hormônio do amor


A ocitocina, ou oxitocina, é um hormônio produzido no hipotálamo, e ele desempenha um importante papel nas funções reprodutivas femininas, desde a atividade sexual até o parto e amamentação.

A influência do hormônio no nosso comportamento e fisiologia se origina no cérebro, e em seguida, ele é transferido para a glândula pituitária e liberado na corrente sanguínea. Os receptores de ocitocina são encontrados em células em todo o corpo.

Oxitocina

Além dos efeitos conhecidos na reprodução, a oxitocina também possui funções sociais.

Os níveis do hormônio tendem a ser maiores durante as experiências estressantes e de relação com outras pessoas, afetando nosso comportamento, a criação de memórias, o reconhecimento e outras funções sociais.

1. Promove o apego materno

Um dos motivos da ocitocina ser conhecida como hormônio do amor é pela relação que ela possui com o apego materno.

De acordo com um estudo publicado na revista Psychological Science, as mulheres grávidas que possuíam níveis mais elevados de ocitocina criaram uma melhor conexão com seus bebês, após o nascimento.

2. Fortalece relações e aumenta a libido

Ela também é conhecida por hormônio do amor por ser liberada em demonstrações de afeto, como o abraço. E a ocitocina costuma ser produzida em maior quantidade quando se está em uma relação.

Em 2012, pesquisadores relataram que as pessoas nos primeiros estágios de relações românticas apresentavam níveis mais elevados de ocitocina, em comparação às pessoas solteiras. Estes níveis persistiram durante pelo menos 6 meses.

Além disso, um coquetel de substâncias químicas cerebrais, que inclui ocitocina, é liberado durante o orgasmo. Esses produtos químicos podem intensificar o vínculo entre os parceiros sexuais.

Segundo um estudo feito com ratos pelo jornal Physiological Review, a injeção de ocitocina líquida também é capaz de aumentar o número de ereções espontâneas.

3. Alivia o estresse e ansiedade

A ocitocina também está relacionada aos níveis de estresse e ansiedade. Um estudo de 2006 descobriu que as mulheres que tinham menos relações sociais ou relacionamentos negativos com seus parceiros, tinham níveis mais elevados de oxitocina e de cortisol.

Porém, uma pesquisa apresentada em uma reunião da Society for Neuroscience, em 2007, mostrou uma experiência feita em ratos que revelou que os que foram separados de seus irmãos exibiram sinais de ansiedade, estresse e depressão. Entretanto esses sintomas diminuíram após serem injetados com ocitocina.

Esse estudo também indicou que os efeitos do hormônio foram mais evidentes em situações estressantes.

4. Cristaliza memórias emocionais

Um estudo da revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que a ocitocina ampliava as primeiras lembranças dos homens sobre suas mães.

Em um grupo de 31 homens, aqueles que inalaram uma versão sintética do hormônio relataram que ele intensificou boas lembranças de suas mães. Isso ocorreu nos casos em que os relacionamentos com eram positivos.

5. Facilita o parto e o aleitamento materno

A ocitocina é liberada em grandes quantidades durante o trabalho de parto, intensificando as contrações uterinas, que abrem o colo do útero e permitem que o bebê passe pelo canal vaginal.

Ela também é liberada durante a amamentação.

6. A ocitocina reduz a dependência de drogas

De acordo com um artigo da revista Progress in Brain Research, a oxitocina inibe a tolerância a drogas aditivas, como cocaína e o álcool, e reduz os sintomas de abstinência.

Ela funciona como um antídoto para o desejo, aliviando a vontade.

7. Melhora as habilidades sociais de pessoas autistas

Um estudo da revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que a inalação de ocitocina melhorou significativamente a capacidade das pessoas com autismo de interagir com outros indivíduos. 

Os níveis de ocitocina natural costumam ser menores em pessoas com autismo, uma doença do desenvolvimento caracterizada por dificuldades na comunicação e nas relações sociais.

Porém, o estudo mostrou que o uso da ocitocina sintética reduziu o medo que os indivíduos autistas sentiam por outras pessoas e melhorou suas capacidades de interação.

8. Promove a generosidade

Em um estudo publicado na Public Library of Science, alguns participantes inalaram oxitocina por meio de um spray nasal, enquanto outros inalaram placebo. Depois eles teriam que decidir sobre como dividir dinheiro com um estranho.

Aqueles que inalaram a oxitocina foram 80% mais generosos, disseram os pesquisadores. O hormônio pareceu afetar sua sensação de altruísmo também.

9. Induz ao sono

A oxitocina liberada no cérebro sob condições livres de estresse promove o sono, por possuir um efeito calmante.

Um estudo no periódico Regulatory Peptides mostra que isso é possível pois a ocitocina diminui os efeitos do cortisol, conhecido como hormônio do estresse.

As variações sintéticas da ocitocina

Apesar de ser produzida naturalmente pelo corpo, a oxitocina também existe na forma sintética e é vendida sob receita com o nome Pitocina.

Em alguns casos, a injeção de ocitocina é utilizada sob a supervisão médica, para iniciar ou fortalecer as contrações durante o parto. Após o nascimento, o hormônio continua a estimular contrações uterinas que diminuem a hemorragia.

A ocitocina sintética também pode ser utilizada como spray nasal.

Uma pesquisa de 2011, descobriu que a ocitocina intranasal melhorava a percepção dos indivíduos em situações sociais, aumentando alguns traços da personalidade, como confiança e altruísmo.

Porém, não há estudos de longo prazo sobre os efeitos colaterais dos sprays de ocitocina. Já na versão utilizada para estimular o trabalho de parto, a bula adverte sobre efeitos colaterais que incluem náuseas, vômitos e dor estomacal.