Conheça a história e as incríveis invenções de Santos Dumont


Conhecido como o Pai da Aviação por ter sido o primeiro a realizar um vôo a bordo de um avião a motor, sem a necessidade de rampas de lançamento. Alberto Santos Dumont é um dos principais nomes da história brasileira e suas proezas são consideradas orgulho nacional.

Mas apesar de seu foco principal ter sido a aviação, a mente inquieta do inventor ainda criou outros utensílios muito importantes para a humanidade.

As invenções são, sobretudo, o resultado de um trabalho teimoso.

Santos Dumont

O mineiro teimoso

Alberto Santos Dumont

Nasceu em 20 de julho de 1873, na cidade de Palmira, em Minas Gerais. Santos Dumont desde cedo demonstrou interesse pelo funcionamento de máquinas e sua construção. Filho de Henrique Dumont e Francisca de Paula Santos Dumont, viveu sua infância na fazenda de plantio e beneficiamento de café da família em Ribeirão Preto. Lá divertia-se construindo pipas e pequenos aeroplanos movidos a hélice. Desde os 7 anos aprendeu a dirigir as locomotivas da propriedade e, aos 12 anos, era considerado um maquinista hábil.

Eu sempre brincava de imaginar e construir pequenos engenhos mecânicos, que me distraíam e me valiam grande consideração na família. Minha maior alegria era me ocupar das instalações mecânicas de meu pai. Esse era o meu departamento, o que me deixava muito orgulhoso.

Santos Dumont

Ao ler as obras de Julio Verne, nas quais são descritas viagens em submarinos e relatadas longas aventuras em balões, o seu fascínio pela aeronáutica cresceu. Passou a estudar a história da navegação aérea e ao descobrir que grande parte dos avanços nesta área haviam acontecido na França, ficou cada vez mais interessado em conhecer o país.

Estimulado pelo pai, começou a estudar mecânica. Com 18 anos, realizou uma viagem à Inglaterra, para aprimorar o inglês. Depois seguiu para a França, onde escalou o Monte Branco e reforçou sua paixão pelas alturas. Um ano mais tarde foi emancipado pelo pai e voltou à França para se dedicar ao automobilismo e aos estudos de ciências, engenharia, mecânica, eletricidade e aeronáutica.

Após a morte do pai, Santos Dumont volta mais uma vez à França em 1897, aos 24 anos, desta vez de forma definitiva e passa a se dedicar ao balonismo.

As máquinas de voar

Balão e dirigível
O balão "Brésil" e o dirigível N-4

A primeira criação de Santos Dumont foi o balão chamado “Brésil” (“Brasil”, em francês) . Este foi o menor balão criado até então e, se diferenciava dos demais balões por ser inflado com hidrogênio, ao invés de ar quente.

O dirigível N-1 foi o primeiro balão motorizado da história, mas o primeiro dirigível criado por Dumont não foi bem-sucedido. Em 1898, o vôo de estreia só ocorreu dias depois do planejado, pois no dia marcado o balão rasgou-se devido a uma manobra mal-feita ainda em terra. Dois dias depois, o dirigível subiu e apresentou as manobras idealizadas, porém um imprevisto fez com que caísse de uma distância de 400 metros do chão.

A descida efetuava-se com a velocidade de 4 a 5 m/s. Ter-me-ia sido fatal, se eu não tivesse tido a presença de espírito de dizer aos passantes espontaneamente suspensos ao cabo pendente como um verdadeiro cacho humano, que puxassem o cabo na direção oposta à do vento. Graças a essa manobra, diminuiu a velocidade da queda, evitando assim a maior violência do choque. Variei desse modo o meu divertimento: subi num balão e desci numa pipa.

Santos Dumont

Dumont busca aprimorar a sua invenção e cria o dirigível N-2, que também cai em sua fase de testes. Cria então o N-3, com o qual contornou a Torre Eiffel pela primeira vez. Aterrissou no mesmo local onde o N-1 havia caído, mas desta vez em total segurança.

Em 1900, foi criado o prêmio Deutsch. Para vencê-lo, uma aeronave deveria contornar a Torre Eiffel e retornar ao seu local de origem em até 30 minutos. Ato que nenhuma das invenções criadas até então eram capazes de realizar.

Instigado pelo desafio, Dumont passa a trabalhar para aumentar a velocidade dos seus dirigíveis. Cria assim os N-4, N-5 e N-6, levando o cobiçado prêmio de 129 mil francos com este último modelo.

Santos Dumont foi então reconhecido internacionalmente como o inventor do dirigível e o maior aeronauta do mundo. O que resultou em condecorações enviadas pelo então presidente do Brasil, Campos Salles, convites de viagens aos Estados Unidos e outros países e, também, a oferta do príncipe de Mônaco, Alberto I, de construir um hangar para que passasse a realizar as suas experimentações no principado.

A partir de então, Dumont passa a criar dirigíveis com objetivos específicos. O N-7 é projetado para corridas, enquanto o N-8 é uma cópia do N-6 criada por encomenda para um colecionador dos Estados Unidos. O N-9 é um dirigível para passeio, já o N-10 foi criado para servir de ônibus coletivo, mas nunca foi finalizado. O N-11 era uma versão reduzida do N-10. O N-12 foi outra réplica, desta vez do N-9 e, por fim, o N-13 era um balão duplo de ar quente e hidrogênio capaz de ficar semanas suspenso no ar, mas infelizmente foi destruído por uma tempestade antes mesmo de ser testado.

14-bis, a ave de rapina

14-bis
O primeiro vôo a bordo do 14-bis

Em 1904 haviam três prêmios de aviação em andamento na França (o Prêmio Archdeacon, o Prêmio do Aeroclube da França e o Prêmio Deutsch-Archdeacon). O mais cobiçado por Dumont era o Prêmio Deutsch-Archdeacon que pedia que a aeronave voasse 1.000 metros em circuito fechado, sem o auxílio de balões ou catapultas para a decolagem e oferecia 50.000 francos ao vencedor.

O inventor começou assim a trabalhar na sua criação mais famosa, o 14-Bis, também chamado de “Oiseau de Proie” (“Ave de Rapina”, em francês).

Inspirado em um protótipo criado pelo cientista inglês George Cayley 100 anos antes, Santos Dumont construiu uma espécie de aeroplano híbrido, um avião juntamente com um balão de hidrogênio. Esta primeira versão foi descartada por ser considerada impura pelo aviador e seus amigos. A partir daí, focou-se em construir uma máquina que pudesse se sustentar no ar sem o auxílio de balões.

O 14-Bis tinha 10 metros de comprimento, 4 metros de altura e 12 metros de envergadura, atingindo 30 km/h. Pesava 205 quilos. As asas eram fixas a uma viga, logo a frente ficava o leme e, na outra extremidade eram posicionados a hélice e o motor de 24 cavalos. O piloto conduzia a aeronave em pé.

Após realizar uma série de testes e ajustes, no dia 23 de outubro de 1906 no campo de Bagatelle, em Paris, Santos Dumont realizou o primeiro vôo a bordo do 14-bis para uma plateia de cerca de 1.000 pessoas e na presença da Comissão Oficial do Aeroclube da França. A aeronave percorreu 60 metros em 7 segundos, a uma altura de 3 metros. O entusiasmo dos presentes foi imenso e até os juízes ficaram emocionados. Por este feito, Santos Dumont se tornou conhecido como o Pai da Aviação.

Outras invenções de Santos Dumont

Hangar
Dumont no hangar de Neuilly (Paris, França)

Além das máquinas voadoras, o inventor brasileiro criou o primeiro hangar em 1900 justamente para guardar os seus equipamentos e invenções. Ele criou portões com rolamentos para facilitar o deslocamento das aeronaves.

Com a intenção de controlar o tempo dos seus vôos, ele também pediu ao amigo Louis Cartier que desenvolvesse o primeiro relógio de pulso.

Mais tarde, criou o primeiro chuveiro de água quente quando vivia em seu chalé “A Encantada” em Petrópolis. A invenção funcionava através do uso de um balde perfurado e dividido ao meio, que levava água quente de um lado e fria do outro.

Criou ainda um motor portátil para ser utilizado por esquiadores.

E os irmãos Wright?

Wright Brothers
Wilbur e Orville Wright

No início do século XX, Dumont não era o único a se aventurar na criação de máquinas voadoras. Os Irmãos Wright desenvolviam as suas criações e experimentações nos Estados Unidos. Em 17 de Dezembro de 1903, realizaram o primeiro vôo com o seu Flyer I com o auxílio de trilhos para a decolagem, na cidade de Kill Devil Hills.

Porém, os irmãos não realizavam demonstrações públicas com receio de ter as suas técnicas copiadas e o vôo teve poucas testemunhas. Somente em 1908 foram à França para realizar uma demonstração dos seus inventos e deixaram todos abismados com os resultados avançados de sua aeronave.

Diferente do 14-bis que voava em círculos como um balão, com o Flyer era possível realizar manobras muito mais controladas devido ao sistema do controle em 3 eixos. A partir de então, o vôo realizado em 1903 pelos irmãos passou a ser considerado como o primeiro vôo de uma máquina voadora mais pesada que o ar.

A guerra e a destruição do sonho

Santos Dumont

Em 1914 teve início a I Guerra Mundial e Dumont viu os aeroplanos passarem a ser utilizados em combates cada vez mais violentos. O aviador havia se aposentado em 1910, pois sofria de esclerose múltipla. Já não sentindo que podia competir com os novos inventores, agora dedicava-se à astronomia.

Ao longo dos anos desenvolveu uma depressão profunda e buscou que os aviões não fossem utilizados como armas de guerra. Em 1926 fez um pedido à Liga das Nações com este objetivo e chegou a oferecer 10 mil francos para a pessoa que escrevesse a melhor obra contra o uso das aeronaves em guerras.

Vendo-se cada vez mais debilitado, o inventor passa por diferentes centros de saúde na Europa e acaba por retornar ao Brasil na companhia do sobrinho. Em 1932, aos 59 anos, Santos Dumond suicidou-se no quarto do Grand Hôtel La Plage, no Guarujá, onde vivia.

Algumas homenagens

Casa Museu Santos Dumont
Museu Casa de Santos Dumont

Por ser um pioneiro da aviação e um dos seus principais entusiastas, a obra de Santos Dumont foi amplamente reconhecida e o inventor recebeu diversas homenagens.

Há uma estátua em sua honra no campo de Bagatelle, onde realizou o primeiro vôo com o 14-bis. A cidade de Palmira, onde nasceu, hoje é chamada Santos Dumont. Em 2006, o governo brasileiro declarou-o herói nacional. Em 1976, a União Astronômica Internacional deu o seu nome a uma das crateras lunares.

O primeiro aeroporto do Rio de Janeiro leva o nome de Santos Dumont. Diversas ruas e praças das cidades brasileiras também foram nomeadas em homenagem ao inventor. O seu chalé em Petropólis foi transformado em museu, sendo que as invenções desenvolvidas ali foram preservadas e estão expostas ao público.