Estação Espacial Internacional: Fatos, curiosidades e localização


A Estação Espacial Internacional é o maior laboratório científico do espaço, que completou 20 anos em 2018. Ela foi construída já em órbita com a participação de 16 países, incluindo o Brasil.

A estação, também conhecida como ISS (International Space Station, em inglês), orbita nosso planeta em uma incrível velocidade de 7.71 km/s, que seria o suficiente para ir da Terra até a Lua e voltar em apenas um dia!

Mas qual o objetivo de se colocar um laboratório em órbita? Como foi sua construção e quem realiza os experimentos lá? Veja essas e outras curiosidades.

Onde está a estação espacial agora?

A Estação Espacial Internacional se encontra à 408 km da Terra, e ela pode ser facilmente vista de qualquer ponto do planeta, até mesmo à olho nu. Atualmente, a ISS é o terceiro objeto mais brilhante do céu noturno, ficando apenas atrás da Lua e de Vênus.

Como ela orbita a Terra cerca de 16 vezes por dia, seu local de visão muda com certa rapidez, porém, a NASA tem um serviço chamado Spot the Station, que mostra em que cidades e lugares do mundo ela está visível no momento. 

Por outro lado, se você quiser ter a visão que os astronautas possuem, existe um vídeo que transmite 24 horas por dia, mostrando a vista que se tem sobre a Terra.

Como a ISS foi construída?

A Estação foi construída já em órbita, e para isso foram necessários 136 voos espaciais. As peças foram entregues em 42 voos, utilizando ônibus espaciais e foguetes.

Os países que participaram da construção da ISS foram: Estados Unidos, Rússia, Canadá, Japão, Suécia, Suíça, Bélgica, Reino Unido, Holanda, Alemanha, Dinamarca, Itália, França, Espanha, Noruega e o Brasil.

Mais de 50 computadores controlam os sistemas da ISS, e o software em órbita monitora cerca de 350 mil sensores da estação. Esse software conta com mais de 1,5 milhões de linhas de código.

E não é porque ele está no espaço que está livre de vírus! Todos os 52 computadores de bordo já foram infectados mais de uma vez, sendo que o primeiro vírus descoberto foi o w32.gammima.ag, que roubava senhas de jogos online na Terra.

Qual o tamanho da estação e de onde vem a sua energia?

Estação Espacial Internacional

A Estação Espacial Internacional possui 109 metros de ponta a ponta. Se considerarmos o tamanho da sua matriz solar, a ISS chega aproximadamente ao mesmo comprimento do Airbus A380, a maior aeronave de passageiros do mundo, com 73 metros. Já o seu peso chega à 419.725 kg.

Já o seu espaço interno chega a 32 metros cúbicos, contendo seis quartos, dois banheiros, uma academia e uma janela panorâmica. Para você ter uma ideia, esse é o mesmo espaço interno de um Boeing 747.

Além disso, até seis naves espaciais podem ser conectadas à estação ao mesmo tempo. Essas naves visitantes trazem comida, suprimentos e combustível para a estação.

E de onde uma estação desse tamanho tira sua energia?

A energia para manter a ISS vem principalmente do Sol! Seus 8 painéis solares fornecem 110 kilowatt de energia ao laboratório, o que equivale ao suficiente para manter 55 casas. Essa energia é usada para operar a nave, realizar experiências e garantir o bem-estar dos passageiros.

E como é viver na ISS?

Tracy Caldwell Dyson observando a vista da Estação
Tracy Caldwell Dyson observando a vista da Estação

Desde 2000, a Estação Espacial Internacional está continuamente ocupada com um tripulação de seis pessoas, que vive e trabalha no laboratório. De tempos em tempos, a equipe que permanecesse na estação é trocada, sendo que a última equipe enviada para a nave partiu em dezembro de 2018.

Ao todo, mais de 230 pessoas de 18 países já visitaram a Estação Espacial Internacional. Mas como será viver nesse lugar?

Os astronautas fazem três refeições por dia, mas não há cadeiras na área de alimentação. Para comer, eles apenas se estabilizam e flutuam, além de precisarem ter muito cuidado para que a comida não escape da boca e saia flutuando pela estação. Também não há camas, e os astronautas dormem de pé em uma espécie de casulo.

Além disso, só existem dois banheiros em toda a estação, e a urina da tripulação e dos animais mantidos no laboratório é filtrada e reutilizada para o seu abastecimento de água.

Pelo menos a vista é de tirar o fôlego! Considerando que eles orbitam a Terra a cada 90 minutos, os astronautas podem ver o pôr e o nascer do sol 16 vezes por dia.

Uma área de experimentos no espaço

Mark e Scott Kelly
No experimento dos gêmeos, um deles foi enviado à ISS enquanto o outro permaneceu na Terra

Com um laboratório em órbita, a Estação Espacial Internacional oferece à pesquisadores de diversos países a oportunidade de realizar experimentos e estudos no espaço.

Experimentos inusitados envolvendo vermes sem cabeça, fazendas de formigas, lulas e até embriões de ratos já foram feitos na Estação Espacial Internacional. 

Porém, um dos experimentos que mais tem chamado atenção das pessoas começou em 2015, envolvendo os irmãos gêmeos Scott e Mark Kelly. O estudo teve por objetivo investigar os efeitos causados no corpo após um longo tempo no espaço.

Para isso, foram realizados exames em ambos os irmãos, e depois disso Scott Kelly foi enviado para permanecer quase um ano na Estação Espacial, enquanto Mark ficou na Terra.

Além dos efeitos já conhecidos, sobre enfraquecimento de ossos, mudanças de tamanho e nos fluídos, os resultados desse experimento mostraram uma diferença de 7% na expressão genética de Scott, se comparada com o do seu irmão. Isso causará uma diferença a longo prazo em áreas como seu sistema imunológico, na formação de ossos, reparo do DNA e corrente sanguínea.

Experimentos como esse são de grande importância para os estudos sobre a possível colonização de outros planetas. E além de laboratório, o ISS foi o símbolo do fim da Guerra Fria e da volta da cooperação internacional.

Atualmente, mais de 100 mil pessoas ligadas à ISS trabalham em agências espaciais em todo o mundo, com pesquisas de 68 países a bordo.

Conheça mais sobre as ideias de colonização de Marte e Vênus.