Serra Pelada: história e fotos do maior garimpo a céu aberto do mundo


Serra Pelada foi uma grande mina de ouro localizada no estado do Pará, no Brasil, que durante seu auge foi considerada não apenas a maior mina de ouro ao ar livre do mundo, mas também a mais violenta.

Como tudo começou: da esperança à exploração

Garimpeiros
Cerca de 100 mil garimpeiros foram trabalhar na Serra Pelada. (Foto: Rudi Böhm)

Em 1979, uma criança estava nadando nas margens de um rio local quando encontrou uma pepita de ouro de 6 gramas. A notícia se espalhou rapidamente e no final dessa mesma semana se iniciou uma corrida pelo ouro.

Durante o início da década de 1980, dezenas de milhares de garimpeiros foram em direção à Serra Pelada, na esperança de ganhar dinheiro com a descoberta e construir um futuro melhor para si mesmos. No entanto, eles se encontraram em um verdadeiro poço sem fundo, de onde muitos nunca voltaram.

Pequenas pepitas foram rapidamente descobertas, com a maior pesando quase 6,8 quilos, mas a situação para os trabalhadores não era nada fácil.

Ouro na Serra Pelada
45 toneladas de ouro foram identificadas na Serra Pelada. (Foto: Rudi Böhm)

Primeiramente, a única maneira de chegar ao local de garimpo era de avião ou a pé. Os mineiros costumavam pagar preços exorbitantes para que os táxis os levassem da cidade mais próxima até o final de um caminho de terra. A partir daí, eles caminhavam a distância restante, cerca de 15 quilômetros, para chegar até o local.

Além disso, durante o pico da corrida do ouro, a mina era conhecida por terríveis condições e violência, enquanto a cidade que crescia ao lado era notória tanto pelos assassinatos como pela prostituição.

Como funcionava o garimpo de ouro na Serra Pelada

Cada minerador recebia uma área de 2m quadrados para escavar. Então, eles tinham que cavar seus barrancos, enchendo sacos de cerca de 40 quilos com terra e lama. Em seguida, carregavam os sacos pesados até 400 metros de escadas de madeira e cordas (conhecidas como adeus-mamãe) para o topo da mina, onde o ouro era peneirado.

Adeus-mamãe
Escadas "adeus-mamãe" (Foto: Rudi Böhm)

Como eles estavam limitados pelas fronteiras de seus barrancos, a única opção era cavar cada vez mais profundamente. O problema era que, quanto mais profundos fossem seus barrancos, mais perigosos eles se tornavam, pois as barragens entre os vizinhos ficavam mais frágeis e frequentemente caíam nos garimpeiros, enterrando-os junto com o ouro.

Garimpeiros na lama
Por trabalharem na lama, os escavadores eram chamados de "porco de lama". (Foto: Rudi Böhm)

Os trabalhadores recebiam em média 20 centavos por cavar e transportar cada saco de terra, com um bônus se fosse descoberto ouro em algum deles.

A intervenção militar

Durante o seu pico, a mina de Serra Pelada empregou cerca de 100.000 cavadores ou garimpeiros em condições terríveis, onde a violência, a morte e a prostituição foram desenfreadas.

Barrancos
Cada garimpeiro recebia uma área de cerca de 2m² (Foto: Rudi Böhm)

Três meses após a descoberta do ouro, os militares brasileiros assumiram as operações para impedir a exploração dos trabalhadores e os conflitos entre garimpeiros e proprietários.

A partir desse momento, os garimpeiros só poderiam vender o minério extraído para o governo. Ao lado dos barrancos, havia um guichê da Caixa Econômica Federal, onde o ouro era pesado e o pagamento feito em dinheiro. Porém, a Caixa decidia os preços, pagando cerca de 60% a menos que o valor real.

Oficialmente, cerca de 45 toneladas de ouro foram identificadas na Serra Pelada, mas estima-se que até 90% de todo o ouro encontrado no local foi contrabandeado.

Cidade vizinha da Serra Pelada
A cidade vizinha da Serra Pelada virou um lugar de prostituição e violência (Foto: Rudi Böhm)

O governo militar também passou a proibir mulheres e álcool na mina, fazendo com que a cidade vizinha se tornasse uma cidade de "lojas e prostitutas". Milhares de meninas menores de idade se prostituíram por migalhas de ouro, enquanto cerca de 60 a 80 assassinatos ocorriam na cidade todos os meses.

O fim do garimpo e o futuro da serra pelada

A mineração na Serra Pelada teve que ser abandonada quando o poço se inundou, impedindo uma maior exploração. Apesar de uma série de esforços inúteis, a mina permaneceu fechada desde então, restando no local apenas um lago altamente poluído. Porém, levantamentos geológicos estimam que ainda poderia haver 20 a 50 toneladas de ouro enterrado sob o lago.

Em 1992, o governo brasileiro declarou Serra Pelada como uma reserva histórica nacional, encerrando qualquer possibilidade de análise legal do solo. Porém, em 2002, o Congresso brasileiro anulou essa decisão e deu aos mineiros o título do poço original e da área ao redor.

Em 2012, depois de permanecer praticamente intocada pelos últimos 20 anos, uma empresa cooperativa brasileira recebeu uma licença de exploração, retomando as esperanças de encontrar o ouro que ainda resta escondido na Serra Pelada.