Por que o Cometa Halley é tão famoso? Veja em 10 fatos


O Cometa Halley é um cometa periódico, que se tornou famoso por “visitar a Terra” a cada 75 a 76 anos. Mas além disso, o que faz desse cometa tão especial? O que acontece quando ele passa pela Terra? Veja esses e outros fatos que o fazem chamar tanto a atenção das pessoas!

1. Quando será sua próxima visita?

Cometa Halley

Ao todo, já foram registradas 30 passagens do cometa Halley pela Terra, e ele será visível aqui novamente em 2061.

Ainda não se sabe exatamente em qual mês, mas especula-se que será em meados de junho. Além disso, espera-se que durante essa passagem o cometa apareça muito mais brilhante do que em sua última visita, em 1986, pois estará no mesmo lado da Terra em relação ao sol.

2. Ele foi o primeiro cometa periódico a ser descoberto

O cometa Halley foi descoberto pelo astrônomo Edmond Halley em 1696, que examinou os relatórios de um cometa que se aproximou da Terra em 1531, 1607 e 1682.

Ele concluiu que esses três cometas eram realmente o mesmo que sempre retornava à Terra, e previu que o cometa voltaria novamente 1758. Infelizmente, Halley não viveu para ver o retorno do cometa, mas sua descoberta fez com que esse corpo celeste fosse batizado com seu nome.

3. Ele é um visitante antigo da Terra

tapeçaria
Tapeçaria de Bayeux, datada do século XI

O primeiro registro de sua passagem no nosso sistema solar ocorreu em 239 anos antes de Cristo.

A aparência mais famosa de Halley ocorreu pouco antes da invasão da Inglaterra em 1066 por William, o conquistador. Dizem que William sentiu que o cometa anunciava seu sucesso, e por isso ele foi representado na Tapeçaria de Bayeux, que narra a invasão.

4. Ele está muito distante  

halley
O cometa Halley continua se afastando

Segundo a NASA, o cometa Halley continua se afastando do Sol, e vai atingir seu ponto mais distante no final de 2023. Depois disso, começará a fazer o seu caminho de volta.

5. Não é possível ver a sua cor

Halley meteor
Foto tirada do Cometa Halley

O cometa reflete aproximadamente 4% de luz que ele recebe e, embora pareça muito claro e brilhante, ele é escuro como carvão.

Ele apenas brilha intensamente quando está perto o suficiente para o Sol, pois a poeira e os vapores são queimados.

6. Sua velocidade não é constante

Os cientistas da NASA já identificaram várias velocidades diferentes do cometa, variando entre 70,6 km/s a 63,3 km/s.

Essa variação ocorre por causa da atração exercida pelas forças gravitacionais de Saturno e de Júpiter e de Saturno, que podem desacelerar o cometa. Além disso, sua órbita é retrógrada, ou seja, ela gira no sentido contrário ao dos planetas.

7. Última visita frustrante

Em 1986, em sua tão esperada visita, o cometa desapontou muitas pessoas, que não conseguiram vê-lo por causa da poluição luminosa. Ele também estava menos brilhante, devido à sua interação com a radiação solar.

Porém, esse foi um ano importante pois pela primeira vez foi possível enviar espaçonaves para observá-lo.

8.Causou pânico em 1910

Nesse ano, a imprensa divulgou notícias sobre um gás venenoso presente na cauda do cometa Halley, que mataria todos os habitantes da Terra.

A partir dessas notícias, a população entrou em pânico e, mesmo com as tentativas de explicar que o gás não era venenoso, algumas pessoas compraram máscaras para tentar se proteger.

Apesar do pânico, essa passagem se tornou importante pois foi a primeira vez que o cometa foi registrado em fotografia.

9. Responsável por chuvas de meteoros

chuva de meteoros

Apesar do cometa só passar na Terra a cada 75 anos, você pode ver seus resíduos em uma frequência muito menor.

A chuva de meteoros Orionid, que é gerada pelos fragmentos do Halley, ocorre todos os anos no mês de outubro. Além disso, ele produz chuvas de meteoros em maio, chamada Eta Aquarids.

10. Halley irá desaparecer

Seu destino não é evidente para os cientistas, mas eles afirmam que o cometa ainda ficará em nosso sistema solar por aproximadamente 10 milhões de anos.

Porém, em algum momento, ele poderá evaporar como uma bola de gelo, se dividir em dois, ou então ser lançado para fora do nosso sistema solar.