Fim do mundo: devemos nos preocupar com antigas teorias e previsões científicas?


Há muitos séculos se propagam teorias, possíveis cenários e previsões acerca do fim do mundo, ou apocalipse, como também é chamado. Elas estão na Bíblia, na mitologia de muitas civilizações, em religiões e até mesmo na crença de estudiosos e acadêmicos. Mas será que algumas delas tem alguma base científica? E a própria ciência, o que diz a respeito do assunto?

fim do mundo

A Bíblia e o apocalipse

Segundo diz a Bíblia, tanto em trechos do Velho Testamento quanto o Novo Testamento, alguns eventos irão preceder o fim do mundo, como guerras, a vinda do anticristo, desastres naturais, além de fomes e doenças.

Então, quando chegar a hora, Deus vai intervir na história humana para promover o julgamento dos homens. E tudo o que Ele criou, "os céus e a terra" (Gênesis 1:1), Ele destruirá. Baseadas nesses versículos, muitas religiões acreditam que existirá um dia do julgamento final e que os pecadores serão punidos pelos seus pecados.  

Ainda segundo o livro sagrado, ao fim de tudo Deus irá recriar o mundo e nele não haverá mais pecado nem sofrimento (Apocalipse 21:3-4). Então, todos aqueles que foram salvos receberão novos corpos e viverão finalmente em paz e harmonia ao lado do Criador.  

A previsão dos Maias que não se concretizou

De acordo com interpretações da profecia Maia, o fim do mundo estaria previsto para o dia dia 21 de dezembro de 2012. A data era o último dia do calendário criado pelos Maias. O possível evento causou alvoroço na imprensa, mas para a sorte da raça humana, a previsão não se concretizou.  

Foi em meados dos anos 70 que popularizou-se a ideia de que uma catástrofe mundial viria a se abater sobre os homens. De lá para cá, essa crença ganhou cada vez mais holofotes. Baseado nessa profecia, muita gente construiu abrigos subterrâneos e até estocou comida. 

Após a data, a rede de TV BBC entrevistou cientistas e arqueólogos para saber se havia alguma base real nessas previsões. Segundo os especialistas escutados, essa tese é completamente falsa e sem nenhuma base científica ou epigráfica.

Ragnarök, o fim do mundo segundo a mitologia nórdica

A lenda diz que o deus Heimdallr tocará a trompa mítica para determinar a chegada destrutiva do Ragnarök - ou o Destino Final dos Deuses. Essa batalha que levará ao fim do mundo será travada entre os deuses Aesires e Vanires, liderado por Odin, e as forças do mal, lideradas por Loki. Nessa sangrenta disputa, o deus Odin será morto pelo lobo Fenrir, filho de Loki.

A crença ainda diz que muitos desastres naturais, terremotos e dilúvios, irão acontecer para que depois a Terra ressurja fértil e abundante. Neste novo mundo, os Deuses sobreviventes irão retornar e tudo será repovoado por dois sobreviventes humanos.

Ragnarök
 O Ragnarök levará ao fim do mundo, segundo a mitologia Nórdica

Buda e o Sermão dos Sete Sóis

Buda proclamou para seu povo o famoso Sermão dos Sete Sóis, no qual falou sobre o fim do mundo causado pelo aparecimento de outros seis sóis, o que causaria a destruição de planetas e de todo o sistema solar.  De acordo com a história, o calor terá o poder de destruir lagos, rios e oceanos, causando superaquecimento e, por consequência, o fim do planeta Terra.

Buda ainda disse que uma dessas massas solares cairia sobre o povo, como uma avalanche de fogo, arrasando tudo que encontrasse pelo caminho.

Porém, seus discípulos acreditam que o líder espiritual fez apenas uma metáfora da natureza impermanente do mundo e de nossa existência, sempre sujeita à decadência e renovação.

A alegoria do fim do mundo segundo o Espiritismo

Na visão espírita, o apocalipse é apenas uma alegoria que representa o fim de um ciclo da humanidade. Um período no qual o planeta Terra passará de um mundo de expiações e provas para um mundo de regeneração.

A crença, codificada por Allan Kardec, prega que esse processo é gradativo e que os espíritos encarnados aqui que não acompanharem a evolução planetária irão encarnar em outros mundos mais primitivos. 

O espiritismo prega a transformação moral e o amor ao próximo como princípios essenciais para que cada ser humano acompanhe a evolução terrestre. Muitos livros espíritas citam as palavras de Jesus: “Bem aventurados os mansos, porque herdarão a terra” (Mateus 5:5). 

Stephen Hawking: o mundo acabará daqui a 600 anos

O renomado físico britânico Stephen Hawking, que morreu em 2018, acreditava que a Terra irá se transformar em uma imensa bola de fogo, daqui a 600 anos. Segundo ele, os homens devem se deslocar para outros planetas o quanto antes, já que a demanda de energia será a responsável por destruir a Terra.

Hawking ainda incentivou os investidores do mundo inteiro a apoiem projetos que têm como objetivo viajar até Alpha Centauri, a estrela mais próxima da Terra, fora do Sistema Solar. A intenção do projeto é descobrir se há algum planeta habitável em órbita.

Stephen Hawking
O físico britânico Stephen Hawking acreditava que o fim do mundo ocorrerá daqui a 600 anos

O que diz a ciência sobre o fim do mundo?

Sim, existem teorias científicas que de o planeta terá um fim. Porém, são apenas probabilidades, previsões. Não há nenhuma certeza de que isso acontecerá. Algumas possibilidades para que isso aconteça são o aquecimento terrestre, o resfriamento terrestre, o aterramento dos oceanos, a escassez de alimentos, uma guerra nuclear ou o choque do planeta Terra com outros astros. 

Porém, muitos estudiosos afirmam que há maneiras de contornar ou evitar a maioria desses fatores. O único item que representa uma catástrofe que inevitavelmente causaria o fim do mundo é o resfriamento terrestre que poderá ocorrer com a "morte" do Sol. A previsão é a de que isso aconteça em alguns bilhões de anos. A consequência será a de que qualquer coisa que habite a Terra virará pó.   

Essas são 10 coisas estranhas que acontecem no mundo