7 criaturas mitológicas mais poderosas do que você pode imaginar


O mundo das mitologias antigas está repleto de criaturas com poderes especiais. Algumas muito conhecidas como a Medusa ou o Minotauro, os poderosos adversários dos heróis gregos. Outras nem tanto, mas que não devem ter as suas habilidades subestimadas, como:

Baku (Mitologia Japonesa e Chinesa)

Bakku

O Baku é um espírito devorador de sonhos que pode aparecer com o corpo de urso, a tromba de elefante, as patas de tigre e o rabo de raposa. Diz a lenda que ele foi feito pelos deuses com as partes que sobraram dos animais, no momento da criação.

Se você tiver um pesadelo pode chamar o Baku para comê-lo e, depois, dormir tranquilamente. Mas tenha cuidado! Se ele estiver faminto, pode não ficar satisfeito com o seu pesadelo e acabar devorando os seus sonhos e esperanças de futuro, deixando a sua vida vazia e sem ânimo. Na dúvida, melhor não arriscar...

Corça de Cerineia (Mitologia Grega)

Corça de Cerineia

A ninfa Taígete foi transformada na Corça de Cerineia pela deusa Ártemis para protegê-la das insistentes investidas de Zeus. Maior que um touro, com chifres de ouro maciço e patas de bronze, a corça tinha uma velocidade impressionante e nunca se cansava de correr. Um dos 12 trabalhos de Hércules foi justamente capturar a Corça de Cerineia, o que só aconteceu depois de um ano de perseguição quando o animal parou para beber água e foi ferido por uma flecha atirada pelo semideus.

Para além da velocidade, a corça possuía outros poderes mais simbólicos. O bronze em seus pés representa a relação com o mundo terreno, os perigos de ser consumida pelos desejos terrenos e ainda é o que a impede de alçar voos mais altos. Os chifres de ouro representam o vigor da alma, tão forte e segura que a protegia de qualquer possível fraqueza espiritual.

Ratatoskr (Mitologia Nórdica)

Ratatoskr

Ratatoskr vive em Iggdrasil, a árvore da vida, e é o mensageiro dos deuses. A criatura nutre um certo gosto pela intriga e não se limita a apenas passar as mensagens. Com comentários ácidos e algumas mentiras, o pequeno esquilo vermelho, alimenta a hostilidade entre Nidhoggr, o dragão que vive junto às raízes da árvore, e a águia que vive no topo.

Algumas interpretações da mitologia nórdica apontam que, na realidade, Ratatoskr pretendia destruir Iggdrasil através do confronto entre o dragão e a águia. Em alguns momentos, o deus da fofoca quase conseguiu o seu objetivo. As más línguas têm mesmo um poder destrutivo.

Djinn (Mitologia Árabe)

Djinn

Normalmente, o nome desta criatura sobrenatural é traduzida em português como Gênio. Mais conhecidos por conceder desejos em histórias como a de Aladim, os djinni tinham o poder de materializar objetos e comida, bem como conseguiam se disfarçar com a aparência humana. Feitos de fogo e ar, podiam habitar qualquer objeto inanimado.

O significado da palavra “djinn”, em árabe, passa a ideia de dissimulação, invisibilidade e isolamento, enquanto que a origem latina da palavra “gênio” significa protetor. Acreditava-se que quando alguém nascia, teria um djinn designado para proteger a pessoa por toda a sua vida, como um anjo da guarda. Outras histórias contam que quando o ser humano foi criado, os djinni se recusaram a aceitá-los e foram expulsos do paraíso.

Ninfas (Mitologia Grega)

Ninfas

Habitantes da natureza, normalmente encontradas em lagos e bosques, as ninfas são divindades femininos cheias de leveza e encanto. Usualmente aparecem nas histórias da mitologia como alvo da luxúria de sátiros e de deuses como Zeus. As ninfas não são imortais, porém vivem por longo tempo e não envelhecem.

Entre os dons das ninfas estão a habilidade de curar e nutrir plantas e animais. Elas também podem ler o futuro, conseguem manipular a energia e controlar emoções humanas. Então não chegue perto de uma ninfa de mau-humor! Ela pode controlar a sua mente até o deixar louco!

Sleipnir (Mitologia Nórdica)

Sleipnir

O cavalo de 8 patas montado por Odin era conhecido como o mais veloz do mundo, podendo cavalgar na terra, na água ou no ar. Sleipnir também conseguia chegar ao reino dos mortos.

Nascido do encontro amoroso entre o garanhão cinza Svadilfari e uma linda égua branca, que na verdade era Loki transmutado, Sleipnir também é considerado o forma de transporte das viagens astrais dos xamãs das culturas indígenas de todo o mundo.

Curupira (Mitologia Brasileira)

Curupira

Curupira é o protetor da floresta. Em algumas partes do Brasil é chamado também de Caipora. A sua principal característica são os pés virados para trás, os quais usa para enganar os caçadores na mata que acabam por o perseguir para o lado errado.

Ele habita o coração da floresta, bastante embrenhado na mata e distante das cidades. Engana caçadores, faz com que se percam ou desapareçam. Usa assobios e gritos estridentes para assustar. Também sabe imitar a voz humana para atrair pessoas para as suas armadilhas e fazê-las se perderem pelos caminhos.

Ás vezes é representado como um menino de cabelos vermelhos, outras aparece como um anão com o corpo todo coberto de pêlos. Apesar da aparência inofensiva, não se deve subestimar as capacidades desta entidade.