Descubra os mitos de Afrodite, a deusa grega do amor e da beleza


Afrodite foi uma das deusas mais adoradas da mitologia grega. Ela era a deusa do amor, da beleza e do sexo. 

Muitos mitos foram contados sobre a deusa Afrodite, que falam de seu nascimento, seus muitos amantes e sua rivalidade com outras deusas. A deusa era conhecida pelos romanos como Vênus, e geralmente era representada nua em pinturas e estátuas. 

O nascimento da deusa: as duas histórias

Vênus de Botticelli
O Nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli

Duas histórias dividem o mito sobre o nascimento da deusa Afrodite, uma contada por Hesíodo, que diz que Afrodite nasceu nas espumas do mar, e outra contada por Homero, que relata que Zeus e Dione são seu pais. A versão mais comum sobre Afrodite é a de Hesíodo, e mesmo seu nome vem de “aphros”, que significa "espuma".

Nesse mito, Urano (o Céu) veio trazendo a noite e, ansiando por amor, se deitou sobre Gaia (a Terra). Então seu filho Cronos, saiu de sua emboscada, pegou sua grande foice e rapidamente cortou os membros genitais de seu próprio pai, lançando-os da terra para o mar. Nesse momento, uma espuma branca se formou perto da carne, e ali nasceu uma jovem mulher.

Seus olhos eram tão azuis quanto o céu, sua pele branca quanto a espuma do mar da qual ela veio, e seus cabelos tão dourados quanto os raios do sol. Quando ela pisou na praia, flores brotaram debaixo de seus pés, e quando foi levada para a assembleia dos deuses, todos a admiraram e a amaram. Os deuses e homens então a chamaram de Afrodite, a nascida da espuma, e mais bela de todas as deusas.

Esse mito do nascimento de Afrodite inspirou a famosa pintura do artista renascentista Botticelli, da deusa em uma concha gigante.

Outra versão do nascimento de Afrodite, contada por Homero, diz que ela seria filha de Zeus com a titã Dione.

O casamento de Afrodite

Casamento de Afrodite e Hefesto
Afrodite foi mulher de Hefesto, e casou-se contra sua vontade. 

Esse mito começa com a história de Hefesto, seu marido. Quando ele nasceu, sua mãe Hera o lançou do alto dos céus, pois tinha vergonha da aparência de seu filho e suas deficiências.

Ele foi resgatado na Terra, e se tornou um mestre e ferreiro experiente. Para se vingar de sua mãe, ele enviou vários presentes para o Olimpo, incluindo um trono de ouro para Hera. Quando a deusa sentou-se sobre este trono amaldiçoado, ela ficou presa à ele.

Zeus pediu ajuda aos deuses, para liberar sua mulher. Ele ofereceu a mão da deusa Afrodite em casamento ao deus que conseguisse trazer Hefesto ao Olimpo. Afrodite concordou com o acordo, pois acreditava que seu amado Ares iria conseguir tal ato.

Ares tentou trazer Hefesto à força, mas não conseguiu. Dionísio então sugeriu à Hefesto que ele poderia reivindicar Afrodite para si mesmo, se ele fosse libertar sua mãe. Ele então aceitou a ideia e subiu ao Olimpo com Dionísio, liberou sua mãe e casou-se com Afrodite.

Porém, Afrodite teve que se casar contra sua vontade, pois não amava Hefesto e o achava muito feio. Por não aceitar seu casamento arranjado, ela o traía com Ares, o deus da guerra.

Quando Hefesto soube das traições de Afrodite, ele preparou uma armadilha e capturou sua mulher com Ares na cama, usando uma rede de malha inquebrável. Ele então os levou para o monte Olimpo, para humilhá-los em frente aos outros deuses, porém, todos apenas riram dos amantes nus.

Hefesto encontra Marte e Venus
Hefesto expondo Ares e Afrodite aos deuses

Hefesto conseguiu se vingar por meio da filha que nasceu do caso adúltero de Afrodite com Ares, chamada Harmonia. Hefesto amaldiçoou a menina e seus descendentes, presenteando-lhe com um colar amaldiçoado como presente de casamento.

O cinto dos encantamentos

Afrodite tinha um cinto mágico, feito do mais fino ouro, que continha todas as suas graças e atrativos, seu sorriso sedutor, sua doce fala, a eloquência dos olhos e seu suspiro persuasivo. Com ele, ninguém poderia resistir aos seus encantos.

Conta o mito, que apesar de Hera e Afrodite serem inimigas e estarem em diferentes lados na Guerra de Troia, a deusa do amor emprestou seu cinto a Hera, para que ela pudesse distrair Zeus durante a guerra.

Os amantes divinos e filhos de Afrodite

Afrodite e Eros
Afrodite e seu filho Eros, o cupido

Afrodite era a deusa do amor e da sexualidade, então não é de se espantar que seu coração não pertencesse a um só homem. Apesar de Afrodite ser casada com Hefesto, a deusa se entregou a muitos homens e deuses, com quem teve vários filhos. 

Afrodite teve um longo caso de amor com Ares, que fez com que seu casamento com Hefesto fosse arruinado. Ela teve com ele quatro filhos divinos: Eros, o cupido alado que sempre a acompanhava, os gêmeos Deimos e Phobos, e uma filha chamada Harmonia.

Dionísio, o deus do vinho, também teve um caso com Afrodite. Hera então amaldiçoou a deusa para que ela tivesse uma criança horrivelmente feia, como punição por sua promiscuidade. Esse filho foi Priapo, o deus grego da fertilidade.

Hermes, para seduzir Afrodite, pediu ajuda ao seu pai Zeus. Juntos eles tiveram um filho que continha tanto o gênero feminino como masculino, e se chamou Hermafrodito, como uma junção dos dois nomes.

Afrodite também se deitou com Poseidon, para agradecer pelo seu apoio após a revelação de sua relação adúltera com Ares. Ela teve com ele duas filhas chamadas Rodes e Herophile.

A deusa e o mortal: O amor de Afrodite e Adônis

Afrodite e Adonis
Afrodite e seu amado Adônis

O mito de Afrodite e Adônis é um dos mitos gregos mais populares, já que está diretamente associado ao amor, e mostra como nem mesmo os deuses conseguiam escapar das poderosas flechas do deus Eros, filho de Afrodite.

A mãe de Adônis era a bela mortal Mirra, que o teve de uma relação incestuosa com seu pai. A deusa Afrodite sentia ciúmes da beleza da humana, e por isso fez com que a menina se deitasse com seu próprio pai, o rei Cíniras de Chipre. 

Quando Cíniras descobriu que ele havia sido enganado, ele perseguiu Mirra com uma espada, com a intenção de matar a ela e seu filho. Afrodite, arrependida de sua ação, rapidamente transformou a menina em uma árvore de mirra.

Afrodite então escondeu o recém-nascido, Adônis, em um baú, e o entregou aos cuidados de Perséfone, rainha do mundo inferior. Quando Perséfone abriu o baú, ficou encantada com a beleza do bebê, e se recusou a devolvê-lo a Afrodite, embora a deusa do amor fosse até o submundo para resgatar Adônis do reino dos mortos.

A disputa entre as deusas do amor e da morte foi resolvida por Zeus, que decretou que Adônis deveria permanecer com Perséfone em uma parte do ano e com Afrodite em outra parte. Quando ele ficava no submundo, era inverno, e quando ele retornava, a Terra florescia, dando origem à primavera e ao verão.

Afrodite e a Guerra de Troia

Um dos mais famosos mitos sobre a deusa Afrodite conta como sobre ela teria sido a responsável pela Guerra de Troia, influenciando sua meia-irmã, Helena, a fugir com Paris. 

Você pode ler sobre esse mito em: Será que foi Afrodite a responsável pela Guerra de Troia?