Conheça 30 deuses da mitologia africana, seus poderes e mistérios


Os deuses africanos são muito populares no Brasil. Alguns são mais conhecidos e já fazem parte do vocabulário cotidiano do brasileiro. Mas tem alguns que só quem é filho-de-santo já ouviu falar.

Esses deuses são cultuados por adeptos das religiões afro-brasileiras, entre elas o candomblé, que surgiu na Bahia no século XIX a partir das tradições religiosas africanas trazidas por negros escravizados, em especial os de origem iorubá, grupo étnico-linguístico da África Ocidental. Essas divindades iorubás (ou nagôs) são os orixás, como Oxalá, Iemanjá, Ogum e Exu. No candomblé, há mais de 200 deles.

Orixás mais cultuados no Brasil

1. Olorum

Olorum significa literalmente Dono do Céu (Orum). É também chamado de Olodumare, embora nas religiões afro-brasileiras o Deus Supremo seja mais conhecido por Olorum. Como grande pai, ele é o criador dos orixás e responsável pela divisão entre o mundo sobrenatural, Orum, e o mundo dos homens, Aiê.

2. Oxalá

Oxalá

Oxalá, o Grande Orixá, é um deus muito importante no panteão iorubá, pois ele é o criador da humanidade. É também chamado de Obatalá, que significa Rei do Pano Branco. Além da cor branca, representa a pureza e o princípio de tudo.

Leia também: Conheça 4 mitos africanos sobre a origem dos seres humanos

3. Ossaim

Também chamado de Ossanha, Ossaim é o orixá das folhas e conhecido por sua capacidade de revigorar ou afastar a morte por meio do uso de ervas medicinais.

4. Ogum

Ogum é o orixá da guerra, das lutas, geralmente representado com uma espada na mão. É o deus da metalurgia, por ter recebido do grande pai Olodumare a incumbência de governar o ferro e todas as coisas que se pode fazer a partir dele. Por isso, os filhos de Ogum são ligados ao ferro. No Brasil, Ogum é associado a São Jorge.

5. Oxóssi

Oxóssi é o orixá da caça. Por isso, quem é filho de Oxóssi está ligado ao mato, à floresta. De um modo geral, esse orixá está ligado à provisão de alimentos e à fartura.

6. Exu

Exu
Crédito da Imagem: Jornal UFG

Exu é o orixá mensageiro. Nos mitos iorubás, não há nenhuma relação dele com o mal. A equivocada associação entre Exu e o diabo é bastante antiga e remonta ao primeiro contato dos missionários cristãos com os povos iorubás. O ódio e a intolerância em relação às religiões afro-brasileiras originam-se, em grande medida, dessa visão errônea desse orixá.

Na tradição africana, Exu é bem diferente. É o transportador, comunicador ou mensageiro entre a Terra, Aiê, e Orum, o outro mundo, a morada dos deuses. Além disso, é o guardião das portas das casas e o dono das encruzilhadas.

7. Oxumarê

Oxumarê é o orixá do arco-íris. Segundo a mitologia iorubá, é o criado encarregado de transportar água da Terra para o palácio de Xangô, que fica no céu.

8. Xangô

Xangô foi uma pessoa de carne e osso. Quarto rei de Oió, império fundado no século XV na África Ocidental, onde hoje é a Nigéria e Benin, foi divinizado depois de sua morte. É o orixá do trovão, exercendo domínio sobre as chuvas, e também orixá da justiça, já que enquanto rei era o magistrado responsável pela aplicação das leis no mundo dos homens.

Xangô é conhecido por ser um orixá que tem muitas esposas, entre as quais Iansã e Oxum. O seu dia é quarta-feira, dia da justiça.

9. Oxum

Oxum é o orixá dos rios e das fontes. É a deusa do rio Oxum, que fica no sudoeste da Nigéria, na África. Assim como Iemanjá é a deusa dos mares, Oxum é a deusa de todas as águas doces. Uma das esposas de Xangô, é a divindade da beleza e do amor.

10. Iansã

Também chamada de Oiá, é a orixá dos ventos, das tempestades e dos raios. É a responsável por guiar os mortos em sua viagem a Orum, o mundo dos deuses. Por isso, Iansã é a orixá responsável pela cerimônia fúnebre do axexê, na qual se fazem oferendas festivas à pessoa que acabou de falecer.

Originalmente, Iansã é a deusa do principal rio da África Ocidental, o Níger, que nasce na Guiné e chega ao oceano cruzando o território da Nigéria.

11. Iemanjá

Iemanjá
Crédito da Imagem: Curandeiras de Si

Originalmente, Iemanjá é a divindade de um afluente do rio Ogum, que nasce no estado de Oyo, na Nigéria. Mais tarde, transformou-se na orixá desse próprio rio, sendo objeto de culto de todos os iorubás. De acordo com o sociólogo Reginaldo Prandi, autor do livro Segredos Guardados, Iemanjá é um orixá que ganhou poder ao longo do tempo, mesmo antes de chegar ao Brasil.

Aqui, tornou-se a divindade das águas salgadas. É a rainha do mar, mãe protetora dos pescadores, reverenciada não só por filhos-de-santo, sendo talvez a orixá mais popular de todo o panteão africano. Em nagô, seu nome Yeyé omo ejá significa "mãe dos peixes".

Quer saber mais sobre esta e outras rainhas do mar? Leia: Iara, Sereias, Iemanjá, Afrodite: conheça as rainhas do mar

12. Obá

Obá é a divindade do rio que leva seu nome, principal afluente do rio Oxum, na Nigéria. É uma das esposas de Xangô. Representa o amor e a fidelidade conjugal.

13. Aganju

Orixá do fogo e dos vulcões, e por isso muitas vezes confundido com Xangô. Segundo a mitologia, Aganju é um guerreiro muito velho e, tal como a lava dos vulcões, vive no fundo da terra, de onde sai de vez em quando.

14. Ibejis

Os Ibejis são os orixás gêmeos, protetores das crianças. Seu símbolo é o tambor. Por habitarem os caminhos, atribui-se a eles o poder de proteger os andarilhos.

15. Obaluaê

Obaluaê ou Omulu é o orixá das pestes e de todas as doenças contagiosas. Segundo o sociólogo Reginaldo Prandi, especialista em religiões afro-brasileiras, a devoção iorubá ao deus Obaluaê é resultado da mistura de diferentes crenças de outros povos, como o fom e o nupe, que também tinham os seus deuses das doenças.

16. Logum Edé

Logum Edé
Crédito da Imagem: Cadê Meu Santo

Logum Edé é o orixá da caça e da pesca. Na genealogia dos deuses, é filho de Oxóssi com Oxum. Logum Edé, segundo o mito, vive metade do ano como mulher, na água, e a outra metade como homem, nas florestas.

17. Euá

Euá é a orixá das fontes. É a mãe dos gêmeos Ibejis. Certo dia, Euá levou seus filhos para buscar lenha no meio do bosque e não conseguia encontrar o caminho de volta. Implorou ao Deus Supremo Olorum que os ajudasse e não permitisse que seus filhos morressem de sede. Então Olorum transformou as mãos e braços de Euá numa fonte d'água, que aos poucos deu origem a um rio. Com isso, os gêmeos puderam matar a sede e conseguiram voltar à aldeia, onde contaram a história da mãe-fonte.

18. Oraniã

Oraniã, filho de Odudua, é o orixá das profundezas da Terra, também chamado de Senhor da Terra Firme.

19. Olocum

Na África, Olocum é a divindade iorubá das águas salgadas, a rainha do mar, posto que no Brasil foi ocupado por sua filha, Iemanjá. Lembremos que na África Iemanjá é uma divindade associada ao rio Ogum.

No mito iorubá, Olocum deu uma garrafa contendo uma poção mágica a sua filha, dizendo-lhe para quebrá-la numa situação de perigo. Foi o que Iemanjá fez quando o rei de Ifé e seu marido, Olofun, ordenou que a capturassem por ela ter fugido, devido ao cansaço da vida na cidade. A poção mágica fez nascer um rio, que a conduziu novamente ao mar de sua mãe, Olocum.

20. Odudua

Odudua
Estátua de Odudua, no estado de Osun, na Nigéria.

Odudua é o orixá que criou a Terra. Além da criação deste mundo, também se atribui a Odudua o primeiro governo na Terra. Ele é o primeiro soberano (obá). Seu nome significa "Senhor do castelo".

21. Erinlé

Erinlé faz parte do grupo dos Odés, que são os orixás caçadores. Odé, em iorubá, significa "caçador". Ou seja, Erinlé é um dos tantos orixás da caça cultuados na África que, nas cidades brasileiras dos séculos XIX e XX, ou foram esquecidos ou agrupados em torno de um único orixá., como Oxóssi, que cuida dos alimentos. Ele é pai de Logum Edé.

22. Oxaguiã

Oxaguiã, rei de Ejibô, é um deus da criação, ao lado de Odudua e Oxalá. Oxaguiã é o criador da cultura material, começando pelo pilão, instrumento importantíssimo no preparo de alimentos, como o inhame. É também identificado com Oxalá jovem em muitos terreiros pelo Brasil.

23. Oxalufã

Se Oxaguiã é identificado com Oxalá jovem, Oxalufã aparece para muitos pais e filhos-de-santo no Brasil como o Oxalá velho. Por isso, geralmente é representado como um idoso curvado, que anda com dificuldade. Tal como Oxalá, sua cor é o branco e uma de suas maiores virtudes é a sabedoria.

24. Orunmilá

Orunmilá Ifá
Crédito da Imagem: Templo de Ogum

Orunmilá ou simplesmente Ifá é o orixá do oráculo ou deus da adivinhação. Isso porque na cultura iorubá o tempo é cíclico, o que significa que o que acontece no presente ou no futuro já aconteceu um dia e foi vivenciado pelos nossos antepassados e pelos orixás. Assim, é possível adivinhar o futuro, com base em informações do passado.

Os babalaôs são os sacerdotes que conduzem as práticas divinatórias do oráculo de Orunmilá.

25. Onilé

Onilé significa literalmente Senhora da Terra ou mesmo Mãe Terra. Também conhecida como Aiê, Onilé é a deusa que não só representa mas governa o nosso planeta. Embora não seja tão conhecida, essa deusa é muito importante, já que dela depende a própria vida na Terra. Em tempos marcados pelos graves problemas ambientais, o culto a Onilé torna-se ainda mais importante.

26. Orixá Ocô

Ocô é o orixá da agricultura. Seu símbolo é o cajado de madeira, com o qual ele aparece em todas as representações. Duas de suas principais características são a disciplina e a determinação.

27. Oquê

Oquê é o orixá da montanha. Nos terreiros de candomblé, é conhecido como o orixá da firmeza, da duração e da força, guardião de todos os outros orixás.

28. Ajalá

Ajalá é um importante orixá da criação. Sua função é a fabricação dos ori, que é a cabeça ou a individualidade que compõe o espírito de cada um dos seres humanos.

O culto a Ajalá tem a ver com a crença iorubá na multiplicidade das almas. Em vez de uma alma única e indivisível, tal como creem os judeus e os cristãos, os seres humanos seriam constituídos por várias almas, dentre as quais o ori, identificado com a cabeça. Segundo o sociólogo Reginaldo Prandi, nosso destino e nossas realizações individuais constituem o ori, que morre junto com o nosso corpo.

29. Nanã

Nanã Burucu é a orixá é a orixá do fundo dos lagos. É a divindade mais antiga de todo o panteão, tendo acompanhado Odudua durante a criação da Terra. Se Oxum é a dona das águas doces, Nanã é a mãe, ou seja, aquela que as criou.

30. Otim

É a orixá do rio Otin, que passa pelo estado de Osun, na Nigéria. É mais um caso de um espírito da natureza, ligado a um determinado lugar (no caso de Otim, a um rio) que com o passar dos anos se tornou uma divindade. No Brasil, é cultuada como orixá da caça, filha de Erinlé.

Como foram criados os orixás?

Orixás
Orixás com suas vestimentas. Crédito da Imagem: Ceert.

Segundo a mitologia iorubá, o criador dos orixás e de todo o mundo é Olorum, o Deus Supremo.

Houve um tempo em que o Céu e a Terra estavam juntos, de modo que homens e deuses coabitavam o mesmo espaço.

De acordo com o livro Mitologia dos Orixás, de Reginaldo Prandi, certo dia, cansado da sujeira e do desleixo dos homens, Olorum decide separar definitivamente Orum e Aiê, afastando os deuses do convívio com os seres humanos. A partir de então, os seres humanos ficavam impedidos de ir a Orum, e os deuses de ir à Terra.

Depois de um tempo, os deuses ficaram tristes e procuraram Olorum. Eles queriam poder voltar a conviver com os seres humanos e participar das aventuras e brincadeiras de outros tempos.

Olorum então permitiu que os orixás voltassem à Terra de vez em quando, impondo-lhes a condição de que isso fosse feito através dos corpos de seus devotos.

Como as riquezas do mundo foram divididas entre os orixás

Para entender como ada orixá recebeu a sua parte da natureza, é preciso lembrar o mito de Onilé, um dos mais belos e importantes da mitologia iorubá.

O Deus Supremo, Olorum-Olodumare, preparou uma reunião para distribuir as riquezas do mundo entre todos os orixás. Assim, todos eles deveriam comparecer com suas melhores roupas e ornamentos. E todos compareceram ricamente vestidos, cada um exibindo uma qualidade especial.

Diante da dificuldade da decisão, Olorum resolve acatar as escolhas que cada orixá já havia feito. Assim, Iansã, vestida com o vento e enfeitada com os raios, tornou-se governadora das tempestades. Iemanjá, vestida com a espuma do mar, tornou-se a Rainha do Mar. E foi dessa forma que cada orixá recebeu a sua parte.

Onilé, no entanto, não havia aparecido na reunião. É filha de Olorum, portanto estava no palácio de seu pai. Mas por ser extremamente tímida, escondeu-se numa cova que ela mesma abriu no chão. Por estar vestida de terra, recebeu de seu pai o governo do planeta, que é a casa de toda a humanidade.

Quais são os deuses da umbanda?

Umbanda
Imagens de Pretos-Velhos, entidades cultuadas na umbanda.

Outra religião afro-brasileira muito importante é a umbanda, surgida no Rio de Janeiro no início do século XX. O que caracteriza essa religião é a mistura, a síntese. Manteve o culto aos orixás da religião iorubá, mas introduziu elementos novos, vindos do kardecismo e do cristianismo, sobretudo no que diz respeito aos valores morais, à caridade e à noção de um mundo dividido entre forças do bem e do mal.

Há na umbanda o culto a entidades humanas que são lideradas pelos orixás. Essas entidades são espíritos de antepassados, tipos sociais brasileiros que têm um importante papel no cotidiano dos umbandistas. Eis algumas delas:

  • Caboclo
  • Preto-Velho
  • Boiadeiro
  • Marinheiro
  • Zé-Pelintra
  • Baiana
  • Pombagira

Leia também: Os principais orixás das religiões afro-brasileiras