Conheça os 14 principais deuses egípcios e suas histórias


Representados com cabeças de animal sobre corpos humanos, os antigos deuses egípcios dominavam todos os aspectos da vida no Egito, tanto da realeza quanto das pessoas comuns.

A cultura do antigo Egito baseava-se na crença de um panteão dessas criaturas estranhas que eram adoradas pelo povo. As mais de 1500 divindades explicavam a criação do mundo, representavam as formas da natureza e outros aspectos da vida.

Veja agora quais foram os 14 principais deuses e deusas da civilização egípcia.

1. Ámon - O oculto

Amon

Assim como Zeus para os gregos, Ámon era considerado o reis dos deuses e deusas do Egito. Esse deus era geralmente representado em uma forma humana, mas às vezes também era retratado com cabeça do carneiro.

Ámon fazia parte da “Tríade Tebana”, junto com Mut e seu descendente Khonsu, o deus da lua. Como muitos outros antigos deuses egípcios que foram assimilados com suas versões regionais, Amon foi fundido com Ra, se tornando Ámon-Ra. Este permaneceu como o deus principal durante todo o período do antigo Egito.

2. Mut - A deusa mãe

Mut

Mut, que significa “mãe” na língua egípcia, era uma dos principais deuses tebanos, esposa de Amon e mãe de Khonsu.

Venerada como a grande mãe divina, Mut era geralmente descrita como uma mulher usando duas coroas na cabeça, representando o Alto e o Baixo Egito. Às vezes ela também era retratada com a cabeça ou corpo de um abutre, ou como uma vaca, pois posteriormente ela se fundiu com Hator, outra grande mãe divina que era geralmente representada como uma mulher com rosto e chifres de vaca.

3. Osíris - O deus da vida

Osíris

Considerado como um filho mais velho do deus da terra Zeb e da deusa do céu Nut, Osíris é adorado como o deus da vida após a morte, visto que os egípcios acreditam que a vida continua em outro plano.

Osíris era um deus da vegetação, simbolizando a renovação e crescimento, tomando conta da fertilidade ao redor das margens do Nilo. Osíris se casou com sua irmã Ísis e foi assassinado por seu próprio irmão Seth. Porém, Osíris foi trazido de volta à vida pela magia de Ísis, que concebeu seu filho.

Hórus é o descendente de Osíris e Ísis, que vingou a morte de seu pai e surgiu como novo rei do Egito, enquanto Osíris tornou-se o deus dos mortos e juiz do submundo, auxiliado a vida após a morte dos faraós e até mesmo da população.

4. Seth - O deus do caos

Seth

Seth era o deus do deserto e das tempestades, que mais tarde também foi associado ao caos e à escuridão. Ele era descrito como um homem com cabeça de cão e cauda bifurcada, mas às vezes ele também era representado como porco, crocodilo, escorpião ou hipopótamo.

Seth também é um dos principais personagens da lenda de Osíris e Ísis e, como resultado da crescente popularidade do culto à Osíris, Seth foi demonizado e suas imagens foram removidas dos templos. No entanto, em algumas partes do antigo Egito ele continuou a ser adorado como uma das principais divindades.

5. Ísis - A deusa da ressurreição

Ìsis

Ísis era a deusa mãe de Hórus e esposa e irmã de Osíris. Quando seu marido foi assassinado por seu irmão Seth, ela recolheu as partes do corpo de Osíris e as juntou com bandagens, dando início à antiga prática egípcia de mumificar os mortos.

Ao trazer Osíris de volta à vida, Ísis também introduziu o conceito de ressurreição, que influenciou profundamente outras religiões, incluindo o cristianismo. Ísis era retratada como uma mulher segurando o símbolo Ankh na mão e às vezes com um corpo feminino e cabeça e chifres de vaca. Ela também era adorada como deusa da fertilidade.

6. Hórus - O deus da vingança

Horus

Hórus era um dos mais importantes deuses egípcios antigos, filho de Osíris e Ísis. De acordo com o famoso mito, ele vingou o assassinato de seu pai, matando seu tio Seth e se tornando o novo rei do Egito.

Os antigos faraós egípcios legitimavam seus governos se apresentando para o povo como o  Hórus encarnado. Também adorado como o deus da luz e do céu, Hórus era geralmente descrito como uma criatura masculina com cabeça de falcão, usando uma coroa branca e vermelha.

7. Anúbis -  O embalsamador divino

Anubis

Anúbis era um deus com cabeça de chacal e corpo de homem, que era responsável pelo reino dos mortos antes do assassinato de Osíris. Esse deus era conhecido por mumificar os mortos e orientar suas almas para a vida pós-morte.

Anúbis era descendente de Ra e Néftis, e era representado com um tom de pele preto, simbolizando os depósitos escuros do Nilo, que garantiam o sucesso do cultivo no Egito.

Essa divindade também simbolizava a renascença e a coloração dos cadáveres após o embalsamamento, e participava da cerimônia de "Ponderação do Coração", que decidia o destino dos falecidos de acordo com seus atos em vida.

8. Rá - O deus do sol 

Rá

Rá era o deus do sol e uma das mais importantes divindades egípcias antigas. Ele também foi associado à construção de pirâmides e à ressurreição dos faraós. Esse deus simbolicamente nascia todas as manhãs com o nascer do sol, e morria com cada pôr-do-sol, iniciando sua jornada para o submundo.

Rá era estreitamente associado à Hórus e, assim como ele, era geralmente retratado como um homem com cabeça de falcão. No entanto, em vez de uma coroa branca e vermelha, Ra possuía um disco solar em sua cabeça.

Muitos antigos deuses egípcios foram fundidos com Rá, e muitos foram criados por ele, como alguns dos seus rivais Ptah e Apep.

9. Thoth - O deus do conhecimento e sabedoria

Thoth

O deus da sabedoria, escrita e magia era frequentemente retratado como um homem com cabeça de íbis ou de babuíno. Thoth era o escriba do submundo, mestre das leis físicas e divinas, que mantinha a biblioteca dos deuses. Ele escreveu os feitiços em “O Livro dos Mortos” e “O Livro de Thoth”, que continha os segredos do universo.

Thoth era considerado o deus mais instruído da história antiga, e também desempenhou um papel importante em muitos mitos egípcios, agindo como um árbitro entre as forças do bem e do mal.

10. Hator - A deusa da maternidade

Hator

Hator era a deusa associada à dança e à música, mas também era conhecida como a Senhora do Céu, da Terra e do Submundo. Ela era muito popular entre os antigos egípcios e era vista como sábia, gentil e afetuosa tanto para os vivos quanto para os mortos.

Ela protegia as mulheres durante a gravidez e o parto, e também era adorada como deusa da fertilidade. Hator foi mais frequentemente retratada como uma mulher com cabeça ou chifres de vaca.

11. Sekhmet -  A deusa da guerra e da cura

Sekhmet

Sekhmet era a deusa da guerra que era descrita como a deusa com cabeça de leão. Ela era conhecida como “A Poderosa”, que destruiu os inimigos de Rá e ajudava os faraós contra seus oponentes.

Sekhmet também estava associada à medicina e à saúde. Seu retrato de mulher leoa ou com cabeça de leão frequentemente incluía o disco solar, um símbolo da realeza e autoridade divina dos faraós egípcios.

12. Wadjet - A protetora do faraó

Wadjet

Wadjet era retratada como uma cobra naja e sua imagem era frequentemente incluída na insígnia real, como um símbolo de soberania sobre o Egito. Ela era vista como a protetora do Hórus vivo, o faraó.

Segundo a mitologia, Wadjet estava sempre pronta para atacar qualquer potencial inimigo do faraó. Às vezes ela também era descrita como uma mulher com duas cabeças de cobra. Nas representações de Wadjet também era utilizado o disco solar, um emblema utilizado nas coroas dos antigos governantes do Egito.

13. Maat - A deusa da verdade

Maat

Maat era a personificação e a deusa da verdade, moralidade, justiça, ordem e harmonia. Ela simbolizava o equilíbrio natural do universo, sendo o oposto do caos.

A cerimônia da “Pesagem do Coração”, conforme descrita no Livro dos Mortos, ocorria no Salão de Maat. Ela era tipicamente retratada como uma mulher com uma pena de avestruz na cabeça.

14. Bastet - A deusa felina

Bastet

Bastet era uma deusa felina, representada como um gato ou uma mulher com cabeça de gato. Ela era a filha do deus do sol Rá e estava intimamente associada ao gato doméstico.

Bastet era adorada por sua natureza maternal e protetora e era frequentemente pintada cercada por gatos. Porém, também se acreditava que ela era feroz quando necessário, pois os gatos conseguiam matar as cobras, uma das criaturas mais mortais do antigo Egito.