Você sabe como começou a festa junina? Veja sua origem e tradições


Não dá pra negar que as festas juninas de hoje em dia tem a cara do Brasil, mas sabia que elas são muito mais antigas do que parecem?

As festas que hoje são repletas de referências indígenas e nordestinas, surgiram de uma tradição que começou na Europa antes mesmo do Brasil ser descoberto, nos rituais feitos para comemorar o início das colheitas durante o solstício de verão.

Dança Solsticio
Celebração do Solstício na Suécia

Esses festivais eram feitos pelos celtas, egípcios e outros povos, e Juno era uma das deusas homenageadas, e por isso as festas eram chamadas de “junônias”.

Como a igreja católica não conseguiu competir com esse ritual pagão, ele decidiu incorporar ao seu calendário, porém homenageando os santos católicos Santo Antônio, São João e São Pedro.

A chegada ao Brasil

As festas juninas foram trazidas para o Brasil no século XVI, quando o país ainda era uma colônia de Portugal. Inicialmente, as festas eram chamadas de Joaninas, por causa de São João.

Mas assim como o ritual teve suas mudanças quando deixou de ser pagão e foi incorporado ao catolicismo, ele também mudou muito desde que chegou em terras brasileiras, mesclando tradições dos jesuítas portugueses com costumes caipiras, africanos e indígenas.

As tradições brasileiras

Festa Junina Brasileira
Festas são muito tradicionais no nordeste brasileiro

As festas acontecem no mês de junho, quando as pessoas dão graças aos três santos católicos: Santo Antônio no dia 13, São João no dia 24 e São Pedro no dia 29.

Mesmo que as festividades sejam realizadas em todo o país, é no Nordeste que elas são as mais populares e impressionantes. Isso por que como as secas são um problema sério na região, os nordestinos celebram a chuva, que é essencial para a agricultura. Então os festeiros se unem para animar as ruas, caminhando e cantando pelas cidades.

Mas várias referências bem brasileiras podem ser vistas em outras partes da festa. Um exemplo são as comidas, que agora tem base nos alimentos cultivados inicialmente pelos indígenas, como o milho.

Ritmos brasileiros também foram incorporados à festa, como o forró e o baião.

Danças e músicas 

Quadrilha
Quadrille francesa que inspirou nossa Quadrilha

A quadrilha, como se chama a dança típica das festas juninas, é um componente vital da festividade. Atualmente, a quadrilha acontece em pares, onde as pessoas se vestem inspirados em homens e mulheres do campo, com chapéus de palha, roupas rasgadas, vestidos quadriculados, dentes pintados e muita maquiagem. Geralmente ocorre um teatro de casamento da roça, que dá início à dança.

Essa quadrilha é inspirada nas contradanças de salão francesas do século 17, chamadas de quadrilles, que foram introduzidas no Brasil durante o Império e adaptadas até se tornarem a dança que conhecemos hoje. 

Comidas e quitutes juninos

Comidas Juninas
Milho é um dos alimentos base para os quitutes juninos

Como junho é o mês em que as safras de milho são colhidas, a maioria dos doces, salgados e bolos são feitos com ele. Alguns exemplos populares incluem pamonha, canjica, espigas e bolos de milho.

Além disso, o pé-de-moleque, quentão, paçoca e outros quitutes também fazem parte do cardápio junino.

Promessas e simpatias

Santo Antonio
Santo Antônio é a "alvo" de muitas simpatias e promessas

Além das homenagens à São João, Santo Antônio e São Pedro, muitas promessas e simpatias são feitas para esses santos, como os balões que são soltos durante a festa para levar pedidos à São João. Mas o grande alvo das simpatias é o Santo Antônio, por ser conhecido como santo casamenteiro.

Algumas simpatias envolvem colocar a imagem do Santo de cabeça pra baixo dentro de um copo d’água, colocá-lo em um poço, ou tirar-lhe o menino Jesus que ele carrega nos braços. O santo só se “livra” desses castigos quando a pessoa conseguir se casar.

Fogueiras e balões

Balão de Festa Junina
Balões eram uma tradição mas foram proibidos

A fogueira é um dos elementos tradicionais da Festa Junina. O ritual de reunião em torno de uma grande chama deriva da tradição pagã, na comemoração do solstício de verão. Mas também há uma explicação cristã para ela, que diz que a mãe de São João, Santa Isabel, acendeu uma fogueira para avisar o nascimento de seu filho à Maria. 

Em algumas regiões do Brasil, à meia-noite a fogueira é apagada, e as pessoas devem andar em cima das suas brasas, ou "pular fogueira". Se a pessoa queimar o pé, significa que ela é uma pecadora.

Os balões também eram parte importante da festa, porém foram proibidos em muitos lugares, devido ao risco de incêndios. 

E como é o São João em Portugal?

São João no Porto
Os martelos são encontrados em toda a parte no São João português

Em Portugal ainda existem as comemorações de São João, mas ela ocorre de um jeito bem diferente!

Lá se comemora na véspera do dia de São João, na noite de 23 de junho. O São João ocorre nas ruas do Porto, no norte de Portugal, e atrai milhares de pessoas para o centro da cidade, em uma festa que mistura tradições católicas e pagãs.

Uma tradição interessante entre os habitantes do Porto durante a Festa de São João é bater  uns nos outros com flores de alho ou martelos de plástico. Além disso, acontecem shows na rua, pessoas assando sardinha nas calçadas, além de balões e vários fogos de artifício à meia-noite.