Símbolo da paz: conheça a história por trás do símbolo hippie


Um dos símbolos mais famosos do mundo, conhecido internacionalmente como o símbolo da paz, foi criado em 1958 pelo artista plástico e designer britânico Gerald Holtom (1914-1985). O desenho serviu de logo para o Comitê de Ação Direta Contra a Guerra Nuclear, antiga organização pacifista que existiu entre 1957 e 1961.

símbolo da paz

Ele foi usado pela primeira vez na primeira grande marcha antinuclear de Londres a Aldermaston, cidade onde se desenvolve até hoje o programa de armas nucleares do Reino Unido.

Ao longo dos anos 60, houve outras edições da Marcha de Aldermaston. E o desenho de Holtom acabou se consolidando como símbolo da Campanha pelo Desarmamento Nuclear (CND, na sigla em inglês).

O emblema também é chamado de símbolo CND ou Ban the Bomb (Proíba a Bomba).

Portanto, o famoso símbolo da Paz e Amor hippie não foi criado dentro do movimento, mas acabou sendo adotado por ele durante os anos 60. Nada mais natural e compreensível, já que o pacifismo é um dos lemas centrais do ideário e do modo de vida hippie.

Além dos hippies, outros grupos adotaram o logotipo da CND como emblemas, com algumas alterações: adeptos do gênero musical reggae e o tradicional bloco-afro de Carnaval Olodum.

Significado do símbolo da paz

Segundo Holtom, o símbolo contém as letras D (Desarmamento) e N (Nuclear) em código semafórico, que é um sistema de comunicação internacional baseado na movimentção de duas bandeiras.

Cada posição define um tipo de letra do alfabeto. Assim, para formar a letra D, uma bandeira é direcionada para cima, outra para baixo, ambas na vertical.

bandeira símbolo da paz
Crédito da Imagem: Jim Croft/Australian National Botanic Gardens

E para formar a letra N, as duas bandeiras são direcionadas para baixo, na diagonal.

bandeira símbolo da paz letra n
Crédito da Imagem: Jim Croft/Australian National Botanic Gardens

Além dessa explicação, ele disse o seguinte à revista britânica Peace News:

Eu estava em desespero. Desespero profundo. Eu me desenhei: o representante de um indivíduo em desespero, com as mãos estendidas para fora e para baixo, à maneira do camponês de Goya diante do pelotão de fuzilamento. Eu formalizei o desenho em uma linha e coloquei um círculo em volta dele.

Três de Maio de 1808 em Madri
Três de Maio de 1808 em Madri, do pintor espanhol Francisco de Goya.

O camponês de Goya a que Holtom se refere é a personagem principal do quadro Três de Maio de 1808 em Madri, que retrata a repressão ocorrida em Madri após levantes populares contra as invasões napoleônicas na Espanha.

Na pintura, os braços estão estendidos para cima. No símbolo de Holtom, para baixo. Mas em ambos os casos, representam o desespero diante da violência das armas, sejam fuzis ou bombas nucleares.

Leia também: Bomba atômica: tudo o que você precisa saber sobre essa destruidora arma nuclear

Conheça as 10 maiores bombas nucleares já detonadas na história

Outros símbolos da paz

Além do logotipo da Campanha do Desarmamento Nuclear, outros símbolos são utilizados para representar a paz. Vejamos os mais conhecidos.

Símbolo da Paz e Amor com os dedos

paz e amor hippies

Outro sinal adotado pelos hippies e adeptos da contracultura nos anos 60 foi o gesto feito com os dedos indicador e médio separados e levantados, enquanto os demais dedos ficam recolhidos. A palma da mão deve se voltar para fora. Ele significa Paz e Amor.

Antes dos hippies disseminarem esse gesto, mundialmente conhecido e geralmente usado em protestos pacifistas, ele já era utilizado para celebrar conquistas em conflitos armados. Afinal, o gesto também forma a letra "V" com a qual se inicia a palavra vitória em diversos idiomas, como o inglês, o francês, o espanhol e o português.

O gesto ficou famoso durante a II Guerra Mundial, período em que foi empregado com frequência pelo estadista britânico Winston Churchill (1874-1965) para comemorar vitórias das tropas aliadas.

Winston Churchill

Cor branca

A cor branca possui muitos significados, que variam no tempo e nas culturas. Se repararmos bem, ela nem sempre simboliza a paz. No Oriente, o branco tradicionalmente simboliza o luto e a morte. Na Europa foi assim durante um longo tempo, sobretudo no reino da França. Para os astecas, o branco também tinha esse significado: era a cor associada ao Oeste (onde o Sol se põe), e portanto à entrada no invisível.

Mas nas culturas ocidentais costumamos associar o branco à paz e à pureza (é a cor do vestido das noivas e da roupa dos comungantes no catolicismo). Entre os celtas, o branco era a cor dos druidas (a classe dos sacerdotes).

A bandeira branca é um símbolo de trégua mundialmente reconhecido. A regulamentação de conflitos armados data do século XIX, com a 1ª Convenção de Genebra (1864). No contexto bélico, a bandeira branca não significa necessariamente paz duradoura, mas um sinal, emitido por um dos exércitos, para que a guerra seja interrompida.

Pomba branca

bandeira de Salvador
Município de Salvador (BA) adotou o símbolo da pomba branca carregando o ramo de oliveira em sua bandeira.

Na cultura judaico-cristão, a pomba simboliza a pureza, a harmonia, a esperança e a paz. No Antigo Testamento, a pomba branca transportando em seu bico um ramo de oliveira é quem vem anunciar o fim do dilúvio. Assim, tornou-se a mensageira da paz e do perdão. Ao voltar com o ramo de oliveira no bico, sinalizava a Noé a descoberta de terra e o declínio da ira de Deus.

Depois soltou novamente a pomba, que voltou para junto dele, à tarde, trazendo no bico uma folha verde de oliveira (Gênesis 8:11).

Já no Novo Testamento, a pomba branca é o Espírito Santo. Sua brancura representa a pureza de Deus. É apresentado, nos profetas Ezequiel e Jeremias, como um sopro vindo de Deus para que os seres humanos participem da santidade divina.

No Novo Testamento, há algumas referências à pomba como o Espírito Santo. Uma delas é a passagem em que Jesus é batizado por João Batista. A pomba sinalizava que ele era o salvador prometido.

O Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corpórea, como uma pomba (Lucas 3:21-22).

Leia também: Os 4 símbolos nacionais brasileiros: significado, história e curiosidades