Aprenda como funciona a mente dos psicopatas e como identificá-los


Quando o assunto é psicopatas, é comum que a maioria das pessoas pense automaticamente em assassinos, serial killers e afins. No entanto, as características da psicopatia são muito mais variadas (e comuns) do que parecem.

Psicopatas frequentemente são inteligentes, charmosos, manipuladores e incapazes de sentir emoções positivas. Mas por que eles são assim? Quais são suas motivações? Confira abaixo como funciona a mente desses indivíduos e como podemos identificá-los.

Psicopatia: um transtorno de personalidade

psicopatas tendem a ser extremamente manipuladores, charmosos e calculistas.
Mads Mikkelsen interpretando um dos psicopatas mais famosos da ficção: Hannibal Lecter

A psicopatia é considerada um Transtorno de Personalidade Antissocial (TPAS), que faz com que a pessoa seja incapaz de sentir remorso ou empatia, além de apresentar comportamentos egoístas, ousados e apáticos.

Psicopatas são incapazes de sentir diversas emoções positivas. Muitos deles possuem ciência dessa incapacidade e sabem que, diante de determinadas situações, deveriam sentir algo, mas ainda assim não sentem.

Essa incapacidade de sentir emoções faz com que psicopatas aprendam a mentir, fingir e dissimular desde criança, como forma de se encaixar. Para não serem diferentes, eles se tornam exímios observadores a fim de aprender como se portarem em sociedade. Esse é o motivo de muitos psicopatas serem extremamente manipuladores, charmosos e calculistas.

Outra consequência do transtorno é que psicopatas não aprendem o que é medo, preocupação, angústia ou outros sentimentos parecidos. Por não conhecerem vários sentimentos, psicopatas não respeitam os de outras pessoas. É essa característica que faz com que eles tenham propensão a cometer crimes e serem violentos sem sentir remorso ou culpa.

No entanto, ao contrário do que muitas pessoas pensam, psicopatas não são necessariamente criminosos. Na verdade, muitos passam a vida inteira sem cometer atos violentos e são capazes de canalizar seus impulsos para outras coisas. Nesses casos, é comum que sejam atraídos para cargos de chefia, para a política, para negócios ou outras áreas em que possam exercer sua necessidade de controle.

Mas por que alguém se torna um psicopata?

Acredita-se que a psicopatia é originada de uma falha genética que prejudica o desenvolvimento de algumas partes do cérebro. Diversos escaneamentos cerebrais conduzidos ao longo da história e ao redor mundo demonstraram baixa atividade cerebral nas áreas relacionadas:

  • ao controle de impulsos;
  • às emoções;
  • à empatia;
  • à moralidade.

No entanto, a psicologia é dividida nesse ponto pois parte dos profissionais considera que a psicopatia pode ser adquirida através de traumas, especialmente na infância. Essa questão recai no problema relacionado aos conceitos de psicopatia e sociopatia.

Existe diferença entre psicopatas e sociopatas?

Existe muita confusão entre os conceitos de psicopatia e sociopatia. Isso acontece porque, por volta de 1930, o termo “psicopatia” foi substituído por “sociopatia” como forma de evidenciar o mal que essas pessoas causam à sociedade.

Com o tempo, psicólogos voltaram a utilizar o termo “psicopatia” para classificar os indivíduos com graus mais severos do distúrbio. Atualmente, a posição majoritária na psicologia é de que a psicopatia é um nível mais grave de sociopatia, e ambas são Transtornos de Personalidade Antissocial.

Psicopatas e sociopatas possuem muitas características em comum. As duas condições resultam em indivíduos imorais, mentirosos, inteligentes e manipuladores, por isso muitas pessoas utilizam os termos como sinônimos.

A diferença chave entre a psicopatia e a sociopatia é: a psicopatia é de nascença e a sociopatia é adquirida. Essa é a posição mais aceita atualmente pela psicologia. Dessa diferença decorrem algumas consequências:

  • a sociopatia é um transtorno menos grave que a psicopatia;
  • sociopatas são menos frios e calculistas e por isso tendem a ser mais irresponsáveis do que psicopatas;
  • por terem adquirido a condição (geralmente através de traumas e abusos), sociopatas possuem resquícios de moralidade e empatia, por isso ainda são capazes de desenvolver sentimentos e criar laços afetivos reais, o que é impossível para psicopatas;
  • sociopatas costumam ter mais dificuldades para viver em sociedade pois não possuem a habilidade natural de “camuflagem” que os psicopatas possuem. Assim, é comum que sociopatas não consigam manter relacionamentos, empregos ou relações duradouras;
  • estima-se que 4% da população mundial é formada por sociopatas enquanto 1% é formada por psicopatas;

Obviamente, tanto a psicopatia quanto a sociopatia possuem diversos graus. Cada caso é um caso. Portanto, é perfeitamente possível que um determinado indivíduo diagnosticado como sociopata seja mais controlado e responsável do que um psicopata, por exemplo.

E quais são as características de um psicopata?

Os principais sinais apresentados por um psicopata são:

  • Frieza: psicopatas possuem baixa atividade cerebral nas áreas relacionadas às emoções. Por esse motivo, são incapazes de sentir emoções fortes e não respondem a estímulos que causariam medo, nojo, felicidade ou choque a outras pessoas.
  • Emoções forjadas: para se camuflarem, psicopatas fingem emoções e são perfeitos atores, pois fazem isso a vida inteira.
  • Charme e inteligência: por serem extremamente observadores, psicopatas costumam desenvolver inteligência acima da média, além de serem pessoas charmosas e sedutoras.
  • Mentem de forma compulsiva: por mentirem a vida inteira, psicopatas desenvolvem um talento natural para a enganação e com frequência nem percebem quando estão mentindo.
  • Confiança exacerbada: uma vez que não sentem medo, angústia ou preocupação, psicopatas transmitem uma confiança inabalável, mesmo diante de situações perigosas.
  • Egoísmo: a incapacidade de sentir empatia se reflete em comportamentos totalmente egoístas. Psicopatas são incapazes de se importar com os sentimentos dos outros.
  • Violência: psicopatas também possuem baixa atividade cerebral nas áreas relacionadas à moralidade. Isso os leva a cometer atos violentos que são inibidos em pessoas normais.
  • Ausência de remorso ou culpa: psicopatas não relacionam emoções às suas atitudes e por isso são incapazes de sentir remorso ou culpa.

Psicopatas que se tornaram famosos

Confira abaixo uma lista de alguns dos psicopatas mais famosos da história:

Ted Bundy

Ted Bundy

Serial Killer norte-americano responsável pela morte de pelo menos 30 pessoas. Ted Bundy raptava mulheres jovens, as matava e depois mantinha relações sexuais com seus corpos.

Bundy foi condenado à cadeira elétrica e morreu em 1989. Anos após sua execução, algumas gravações de vídeo e de voz realizadas enquanto ele esperava no corredor da morte viraram material para uma série da Netflix.

A produção chamada de "Conversas com um Assassino: As Gravações de Ted Bundy" foi lançada em 2019. 

Charles Manson

Manson

Fundador e líder do culto religioso chamado “Família Manson”, Manson foi responsável por dezenas de mortes e crimes, sem nunca chegar a realizar nenhum deles de modo direto.

Com suas ideias e discursos, Manson manipulava seus seguidores a praticar assassinatos brutais, incluindo a morte de Sharon Tate, então esposa do diretor Roman Polanski.

Charles Manson foi condenado à pena de morte, posteriormente convertida em prisão perpétua. Ele morreu em 2017 aos 83 anos.

Conheça mais sobre a vida de Charles Manson.

Jack, o Estripador

Jack Estripador

Mesmo sendo muito famoso, Jack Estripador nunca foi identificado. O assassino foi responsável pela morte de várias prostitutas em Londres no ano de 1888.

Jack cortava a garganta das suas vítimas e depois as esfaqueava na barriga. Seu apelido se deve ao fato de ter retirado, com precisão cirúrgica, os órgãos de três vítimas.

Assassino do Zodíaco

Zodiaco

Outro psicopata serial killer que nunca foi identificado. O assassino escolheu seu próprio apelido em uma das cartas que mandava para a imprensa contendo enigmas e códigos.

Albert DeSalvo

Albert DeSalvo

Conhecido como “Estrangulador de Boston”, atuou nos anos 60 matando pelo meno treze mulheres. DeSalvo apresentava sinais de psicopatia desde a infância, torturando animais e cometendo pequenos crimes.

O estrangulador foi morto na prisão, onde foi esfaqueado em 1973.